14 pessoas que beberam cerveja Belorizontina correm risco de morte

  • Por Jovem Pan
  • 17/01/2020 14h04
Reprodução/FacebookAté o momento, houve 18 notificações de possível intoxicação

A Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais informou nesta sexta-feira (17) que os 14 pacientes internados com suspeita de intoxicação por dietilenoglicol depois de beberem a cerveja Belorizontina, da Backer, estão em estado grave e correm risco de morte.

Todos estão internados na rede privada hospitalar de Belo Horizonte. Até o momento, houve 18 notificações de possível intoxicação pela substância, com quatro mortes, sendo três suspeitas e uma confirmada.

E o número de notificações ainda pode aumentar, segundo o superintendente de Vigilância e Saúde do Estado, Felipe Laguardia. A Vigilância Sanitária de Belo Horizonte colocou em monitoramento outras 16 pessoas que procuraram a rede municipal de saúde e afirmaram terem bebido a Belorizontina.

A diretora de Vigilância Epidemiológica da Prefeitura, Lúcia Paixão, afirmou que, com o início dos casos de intoxicação, foi registrado aumento na procura por unidades básicas de saúde e também de pronto-atendimento. Não há, porém, um porcentual que dê dimensão a esse aumento.

“O Sistema Único de Saúde (SUS) passou a ser procurado agora, com a divulgação. Muito pelo temor”, justificou.

Os 14 pacientes estão sendo tratados com o antídoto para o dietilenoglicol, o etanol. As investigações apontaram também a presença de monoetilenoglicol na produção da Backer e na fábrica da cervejaria. Porém, segundo a secretaria, todas as intoxicações foram pelo dietilenoglicol.

*Com Estadão Conteúdo