Anvisa decidirá uso emergencial de vacinas contra Covid-19 neste domingo

Pedidos de uso emergencial da CoronaVac, desenvolvido pelo Instituto Butantan em parceira com o laboratório Sinovac, e da vacina da Fiocruz, desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a AstraZeneca, estão sob análise da agência

  • Por Jovem Pan
  • 12/01/2021 19h30 - Atualizado em 12/01/2021 20h06
ADRIANA TOFFETTI/A7 PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO - 10/12/2020 Reunião acontecerá no penúltimo dia da meta estabelecida pela agência para análise dos pedidos de uso emergencial

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que irá tomar a decisão sobre o uso emergencial da Coronavac, desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com a Sinovac, e da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a AstraZeneca no próximo domingo, 17. A informação foi divulgada pela própria agência por meio de nota emitida no fim da tarde desta quarta-feira, 12.  No comunicado, a Anvisa diz que a data é o penúltimo dia estabelecido pela agência como meta para analisar os pedidos de uso emergencial. Por fim, a agência afirma, ainda que para que a análise possa ser feita, os laboratórios precisam entregar, “em tempo hábil para análise, os documentos faltantes e complementares”.

Um painel que foi disponibilizado pela Anvisa mostra o status de documentação de cada vacina que está aguardando aprovação da Anvisa. Enquanto a vacina de Oxford tem 13 análises concluídas, a da Sinovac tem 16. As vacinas da Janssen, braço farmacêutico da Johnson & Johnson, e da Pfizer também aparecem no painel. Essa é a última etapa das análises para a aprovação de um imunizante no Brasil. Mais cedo, a Anvisa informou que não deverá detalhar a avaliação das vacinas em notas, explicando que a análise é feita com documentos técnicos que comprovam a eficácia das vacinas. A agência classificou a avaliação dos dados para uso emergencial como “complexa e robusta”, explicando que o processo é baseado em requisitos internacionais que buscam “contribuir para o controle da doença”.