Anvisa explica ausência na audiência pública do Ministério da Saúde sobre vacinação de crianças

Órgão regulador já havia defendido a imunização do grupo no último dia 16; em nota, a agência disse que a participação na reunião desta terça não agregaria novos elementos ao assunto

  • Por Jovem Pan
  • 04/01/2022 12h19 - Atualizado em 04/01/2022 13h00
Reprodução/Anvisa - 24/07/2018 Fachada da Anvisa Anvisa determinou a apreensão de autoteste para Covid-19 falsificados e a proibição da comercialização fora de farmácias e drogarias

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não participa, neste momento, da audiência pública promovida pelo Ministério da Saúde sobre a vacinação de crianças de 5 a 11 anos de idade contra a Covid-19. Em comunicado enviado à Pasta, a agência alegou que já emitiu seu posicionamento em relação ao tema, defendendo a imunização do grupo de maneira pública e encaminhando sua recomendação às diversas autoridades médicas, sociedades e ao próprio Ministério da Saúde. Ainda no documento, a Anvisa afirma que sua participação na reunião desta terça não mudaria o seu posicionamento: “A Anvisa, por seu caráter técnico, visualiza que sua participação na Audiência Publica não agregaria novos elementos à temática”.

Na nota emitida ao Ministério, a Anvisa relembra que “aprovou, na data de 16 de dezembro de 2021, a indicação da vacina Comirnaty para imunização contra Covid-19 em crianças de 5 a 11 anos de idade. A aprovação permitiu o início do uso da vacina no Brasil para esta faixa etária” e que a decisão foi tomada “após uma análise técnica criteriosa de dados e estudos clínicos conduzidos pelo laboratório Pfizer, no qual se atestou que a vacina é segura e eficaz para o público infantil. Para a avaliação da ampliação da faixa etária dessa vacina, a Agência contou com a consulta e o acompanhamento de um grupo de especialistas em pediatria e imunologia que teve acesso aos dados dos estudos e resultados apresentados pelo laboratório”.

A Anvisa ainda informa que, no dia 22 de dezembro, enviou comunicado público ao Ministério da Saúde, com todas as referências científicas utilizadas, além de um parecer técnico que expressa a avaliação realizada pela Gerência-Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos (GGMED), defendo a vacinação de crianças contra a Covid-19. Ainda no comunicado, a entidade informa algumas das associações que contribuíram na avaliação pela imunização do grupo. Dentre eles estão especialistas de: Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI) e Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).