Arquidiocese de São Paulo encerra investigação sobre padre Júlio Lancellotti

Nota ressalta que a Igreja continuará ‘atenta a novos elementos de verdade sobre os fatos denunciados, sem se deixar influenciar por interesses ideológicos ou políticos’

  • Por da Redação
  • 23/01/2024 18h13
WERTHER SANTANA/ESTADÃO CONTEÚDO Júlio Lancellotti na Igreja de São Miguel Arcanjo, na capital paulista Júlio Lancellotti na Igreja de São Miguel Arcanjo, na capital paulista

A Arquidiocese de São Paulo anunciou que encerrou a investigação sobre o padre Júlio Lancellotti, que foi alvo de denúncias de conteúdo sexual feitas pela presidência da Câmara Municipal. Em comunicado, a instituição afirmou que não possui provas suficientes para comprovar a veracidade das acusações e mencionou um parecer do Ministério Público de 2020 sobre o mesmo caso. A decisão foi informada ao Vaticano, de acordo com a Arquidiocese. A nota ressalta que a Cúria Metropolitana de São Paulo “continuará atenta a novos elementos de verdade sobre os fatos denunciados, sem se deixar influenciar por interesses ideológicos ou políticos”. O vídeo em questão foi enviado pelo presidente da Câmara, vereador Milton Leite (União Brasil), na última segunda-feira. No entanto, a autenticidade do material não foi comprovada e mostra um homem se masturbando. Em 2020, o mesmo vídeo foi alvo de uma investigação do Ministério Público de São Paulo, que decidiu arquivar a denúncia. O padre Júlio Lancellotti é alvo de acusações feitas pelo vereador Rubinho Nunes (União Brasil), autor do requerimento para a abertura de uma CPI que visa investigar as ONGs que atuam no centro de São Paulo.

cta_logo_jp
Siga o canal da Jovem Pan News e receba as principais notícias no seu WhatsApp!

No início do ano, sete vereadores que haviam assinado o documento para a instauração da CPI retiraram o apoio após Lancellotti, líder da Pastoral do Povo de Rua, ser apontado como o principal alvo da comissão. Os parlamentares afirmaram terem sido enganados pelo autor da CPI, já que o texto não mencionava o padre. Nunes alega ter contratado uma perícia que comprova a autenticidade do vídeo e afirma que o homem nas imagens é o religioso. O padre Júlio Lancellotti preferiu não comentar o assunto, enquanto seu advogado, Luiz Eduardo Greenhalgh, afirmou que se trata de uma montagem. O vereador Nunes também enviou o material para o Ministério Público de São Paulo, o Ministério Público Federal e a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).

Publicada por Felipe Cerqueira

*Reportagem produzida com auxílio de IA

Comentários

Conteúdo para assinantes. Assine JP Premium.