Bolsonaro diz que criminalização da homofobia pelo STF foi um ‘equívoco’

Para o presidente, igualar a homofobia ao crime de racismo vai prejudicar os homossexuais; Bolsonaro afirmou novamente que gostaria da entrada de um ministro evangélico na Casa

  • Por Jovem Pan
  • 14/06/2019 12h48
Marcos Corrêa/PRBolsonaro voltou a defender a entrada de um ministro evangélico no STF

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) classificou como “um equívoco” a decisão tomada nesta quinta-feira (13) pelo Supremo Tribunal Federal (STF) de criminalizar a homofobia, enquadrando-a no crime de racismo.

Em café da manhã com jornalistas realizado nesta sexta-feira (14) no Palácio do Planalto, o presidente afirmou que a decisão é prejudicial ao grupo minoritário. “A decisão é equivocada e prejudica o homossexual”, disse, acrescentando que um empregador pensará “duas vezes” antes de contratar um homossexual.

Para Bolsonaro, o Brasil “Está se tornando insuportável por conta dessas questões”. ““Agora, e você ofendeu uma pessoa, deu uma facada, só porque é gay, tem que ser agravada”, continuou.

Ele também voltou a defender a presença de um ministro evangélico no STF, “em especial depois da decisão de ontem”. No mês passado, o presidente já havia sugerido a ideia durante uma convenção nacional das Assembleias de Deus.

Segundo ele, a colocação de um ministro evangélico e de visão mais conservadora equilibraria o cenário dentro da Casa. “Acho equivocado o que o Supremo fez ontem, tem que ter equilíbrio lá dentro. Não é misturar política com justiça e religião”, disse Bolsonaro.