Desmatamento na Amazônia é o maior em 10 anos para o mês de agosto, diz Imazon

Área desmatada é equivalente a cinco vezes o tamanho da cidade de Belo Horizonte e é 7% maior do que a registrada no mesmo mês de 2020

  • Por Jovem Pan
  • 20/09/2021 13h36 - Atualizado em 20/09/2021 16h55
ERNESTO CARRIÇO/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDO - 11/09/2021 Acumulado da área desmatada em 2021 também é a maior para a década

desmatamento em agosto deste ano acabou com mais de 1.606 km² de Floresta Amazônica, sendo a maior marca para o mês em uma década. A área desmatada é equivalente a cinco vezes o tamanho da cidade de Belo Horizonte. Os dados são do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon). Segundo o instituto, agosto foi o quinto mês de 2021 em que o desmatamento atingiu o pior cenário desde 2012. Março, abril, maio e julho também tiveram a maior área de floresta destruída em 10 anos. Em relação a agosto de 2020, o território desmatado em 2021 é 7% superior. Já o acumulado de janeiro a agosto, de 7.715 km², é 48% maior do que no mesmo período do ano passado e também é recorde na década. Desde maio, Pará é o Estado que mais desmata. Foram 638 km² destruídos apenas em agosto. Essa área representa 40% de toda a devastação na Amazônia Legal e é maior do que São Luís. Amazonas foi o segundo que mais desmatou. Acre ficou logo atrás.

Gráfico da área desmatada na Amazônia para o mês de agosto

“Se quisermos evitar que o ano feche com a maior área desmatada da década, precisamos urgentemente adotar ações mais efetivas, como aumentar o embargo de terras já desmatadas ilegalmente e intensificar operações de fiscalização, com a devida punição dos desmatadores”, diz pesquisador do Imazon, Antônio Fonseca. Como medidas, o pesquisador ainda cita a destinação de terras públicas que ainda não tiveram seu uso definido para criação de novas áreas protegidas e a derrubada de projetos de lei que flexibilizam regras para regularização fundiária, retiram direitos dos povos indígenas e reduzem áreas protegidas.