Hospital decide manter Bolsonaro afastado do cargo por mais quatro dias

Segundo a equipe médica, a recuperação evolui positivamente

  • Por Jovem Pan
  • 12/09/2019 18h25 - Atualizado em 12/09/2019 20h08
Reprodução/TwitterA previsão era de que o presidente retomaria suas funções amanhã, mesmo internado e sem previsão de alta

O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, afirmou que a equipe médica decidiu manter o presidente Jair Bolsonaro afastado do exercício da função por mais quatro dias, a partir desta sexta-feira (13), a fim de proporcionar maior tempo de descanso.

No entanto, esclareceu que a recuperação evolui positivamente. Dessa forma, a previsão é que ele reassuma o cargo na próxima terça-feira (16), mas a data “pode ser adiantada dependendo da avaliação médica de cada dia e da evolução do presidente”. “Ele recebeu a notícia preparado. É uma pessoa mentalmente muito forte. Ele mesmo participou da decisão”, declarou Rêgo Barros.

A previsão era de que Bolsonaro retomaria suas funções amanhã, mesmo internado e sem previsão de alta. “Amanhã ele poderia assumir, mas não nos parece importante do ponto de vista médico ele assumir com alguma limitação. A própria sonda é um incômodo”, explicou o porta-voz.

De acordo com Rêgo Barros, Bolsonaro permanece com a sonda nasogástrica e as visitações continuam restritas. “Os dias a mais fora da função foram dados para que ele assuma com ‘maior conforto’ o cargo”, afirmou.

Ele disse, ainda, que esse afastamento “vai acelerar o processo de recuperação do presidente” e garantiu que o vice, Hamilton Mourão, “permanece em exercício com toda a naturalidade”.

O presidente foi submetido a uma cirurgia neste domingo (8) para corrigir uma hérnia (saliência de tecido) que surgiu no local onde sofreu intervenções anteriores, ocorridas após a facada que levou de Adélio Bispo durante a corrida presidencial em 2018.