João de Deus é condenado a 19 anos de prisão por crimes sexuais

  • Por Jovem Pan
  • 19/12/2019 14h59 - Atualizado em 20/12/2019 09h04
Ernesto Rodrigues/Estadão ConteúdoFicaram comprovados dois casos de violação mediante fraude e dois de estupro de vulnerável

A Justiça Federal condenou, nesta quinta-feira (19), o médium João Teixeira de Faria, o João de Deus, a 19 anos e quatro meses de prisão por crimes sexuais cometidos contra quatro mulheres durante atendimentos espirituais na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, no Distrito Federal. A informação é do portal G1.

João de Deus já recebeu 11 denúncias por crimes sexuais do Ministério Público de Goiás, mas essa é a primeira sentença relacionada ao crime. Ele foi condenado por posse ilegal de armas de fogo há aproximadamente um mês.

Segundo a juíza Rosângela Rodrigues, que assinou a decisão, ficaram comprovados dois casos de violação mediante fraude e dois de estupro de vulnerável.

De acordo com o MP, 319 mulheres já procuraram a Promotoria para denunciar o médium. Desse total, 194 formalizaram denúncias contra ele. Em 87 casos, os atos prescreveram. Os perfis das vítimas eram os mais diversos e envolviam mulheres que sofriam de depressão, câncer e até epilepsia e que buscavam tratamento com ele, que se aproveitava da fragilidade.

Prisão

Detido desde 16 de dezembro do ano passado, João de Deus responde a onze denúncias por crimes sexuais. Em junho, a defesa do médium recorreu ao Supremo Tribunal Federal para rever sua prisão preventiva.

A defesa alegou que João de Deus, além de idoso, é portador de insuficiência coronariana, e que sua custódia “estaria fundamentada apenas no clamor público e no abalo à paz e à tranquilidade pela eventual soltura” do líder espiritual.

O caso foi analisado pelo ministro Ricardo Lewandowski, que negou a concessão de prisão domiciliar ou conversão da preventiva do médium por outras medidas cautelares alternativas.