Justiça determina sequestro de bens de ex-governador de SP Geraldo Alckmin

No fim de julho, o tucano virou réu por corrupção passiva, falsidade ideológica eleitoral e lavagem de dinheiro

  • Por Jovem Pan
  • 05/08/2020 11h14 - Atualizado em 06/08/2020 08h06
FáTIMA MEIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDONa época, Alckmin alegou que a acusação era infundada e ele era inocente

A Justiça Eleitoral de São Paulo decretou nesta quarta-feira (5) o sequestro de bens do ex-governador do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB). Além dele foram incluídos também o tesoureiro de sua campanha em 2014, Marcos Monteiro, e o ex-assessor do governo, Sebastião Eduardo Alves de Castro. Eles teriam recebido repasses ilegais em nome do tucano. O valor sequestrado é de até R$ 11,3 milhões sobre imóveis e valores constantes nas contas bancárias dos três.

No fim de julho de 2020, o tucano virou réu por corrupção passiva, falsidade ideológica eleitoral e lavagem de dinheiro. O ex-governador responde a ação penal eleitoral por suposto caixa dois pagos pela Odebrecht, de R$ 11,9 milhões, nas campanhas de 2010 e 2014. Na época, Alckmin alegou que a acusação era infundada e ele era inocente.