Mandetta: ‘Não é hora de relaxar, é hora de redobrar cuidado’

De acordo com Ministério da Saúde, 89% dos 201 mortos pela Covid-19 no Brasil eram pessoas acima dos 60 anos. Nesta quarta-feira (1º), o Brasil tem 201 mortes e quase 7 mil casos da doença

  • Por Jovem Pan
  • 01/04/2020 19h04 - Atualizado em 01/04/2020 19h18
Frederico Brasil/Futura Press/Estadão ConteúdoLuiz Henrique Mandetta é o atual ministro da Saúde do Brasil

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, voltou a defender o isolamento social como forma de diminuir o contágio pelo novo coronavírus. Em coletiva de imprensa nesta quarta-feira (1º), ele ressaltou que “agora não é hora de relaxar, é hora de redobrar cuidados”.

Ao apresentar dados da pasta, Mandetta revelou que 89% dos 201 mortos pela Covid-19 no Brasil eram pessoas acima dos 60 anos. Do total, 127 apresentavam problemas cardíacos, 84 tinham diabetes e 33 problemas pulmonares, segundo a pasta.

“Isso reforça que as pessoas de mais idade precisam ser protegidas. Não é hora de relaxar, é hora de redobrar cuidado. O vírus está mostrando para nós a que veio e temos o dever de proteger essas pessoas. A maioria das pessoas tinha mais de 60 anos e alguma comorbidade”, destacou.

De acordo com as informações mais recentes do Minstério, o Brasil tem 201 mortes e 6.836 casos do novo coronavírus.

O ministro também afirmou que os mais jovens não estão imunes ao vírus e é preciso seguir os protocolos de higiene e distanciamento social propostos pelas autoridades de saúde.

Ao abordar o impacto que o Sistema Único de Saúde (SUS) deve sentir ao longo do mês de abril, o ministro destacou que, neste momento, “todos os países estão comprando respiradores ao mesmo tempo” – o que, segundo ele, sobrecarrega o sistema.

“Para os sistemas de saúde do mundo esse vírus tem se mostrado extremamente grave. Não pensem apenas no cenário do vírus, ele é sistêmico, ele atacou a educação, a economia, fez a maior potência do mundo ficar paralisada. O vírus questiona a maneira como a sociedade se comportou até aqui na questão da saúde”, disse.

Nesta quarta, os testes rápidos para Covid-19 fornecidos pela Vale chegaram ao Brasil e, com a testagem da população, o Ministério prevê um aumento no número de casos confirmados da doença nos próximos dias.