Manifestantes pedem impeachment de Bolsonaro e mais vacinas contra a Covid-19

A princípio, os protestos estavam marcados para o dia 24 de julho, mas foram antecipados devido às denúncias envolvendo a compra da vacina Covaxin; organização contabilizou atos em 347 municípios

  • Por Jovem Pan
  • 03/07/2021 17h41 - Atualizado em 03/07/2021 21h43
TABA BENEDICTO/ESTADÃO CONTEÚDOManifestantes pedem o impeachment de Jair Bolsonaro e mais vacinas contra a Covid-19

Manifestantes se reuniram em várias regiões do Brasil neste sábado, 3, para protestar contra o governo do presidente Jair Bolsonaro – organizadores contabilizaram atos em 347 municípios no país. Em São Paulo, a concentração começou na Avenida Paulista. Os pedidos de impeachment do presidente, a volta do auxílio emergencial, ampliação da vacinação contra a Covid-19 e as mais de 520 mil mortes causadas pelo novo coronavírus estavam na pauta. De acordo com o governo do Estado, 600 policiais militares, com mais de 80 viaturas, cinco drones e 200 aeronaves foram deslocados para fazer a segurança da região. No final da noite, a Secretaria de Segurança Pública (SSP-SP) estimou que o protesto reuniu 5.500 pessoas. Além disso, houve, confronto com a Polícia Militar na rua da Consolação, onde um grupo depredou uma agência bancária do Santander e atacou policiais em frente à estação Higienópolis-Mackenzie do metrô.

Esse é o terceiro ato contra Bolsonaro registrado desde maio deste ano. A princípio, os protestos estavam marcados para o dia 24 de julho, mas foram antecipados por causa das suspeitas envolvendo a compra da vacina indiana Covaxin e um suposto pedido de propina em negociação por doses da vacina da AstraZeneca. Os manifestantes se posicionam contra a reforma administrativa e as privatizações. De acordo com os organizadores, todos os protocolos sanitários devem ser seguidos, como o uso obrigatório de máscara, álcool gel e distanciamento social, o que não foi visto em alguns momentos das últimas manifestações. Outros Estados e o Distrito Federal também registraram protestos contra Bolsonaro. No Rio de Janeiro, a manifestação começou por volta das dez horas da manhã e durou cerca de quatro horas. O ato foi pacífico e a Polícia Militar acompanhou todo o trajeto.