Maurício Valeixo não é mais diretor-geral da Polícia Federal

  • Por Jovem Pan
  • 24/04/2020 06h59 - Atualizado em 24/04/2020 11h01
Reprodução/Gazeta do PovoO decreto com a exoneração de Valeixo está publicado no Diário Oficial da União desta sexta-feira (24)

O presidente da República, Jair Bolsonaro, exonerou a pedido Maurício Leite Valeixo do cargo de diretor-geral da Polícia Federal.

O decreto com a exoneração de Valeixo está publicado no Diário Oficial da União desta sexta-feira (24). O documento é assinado pelo presidente da República e pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

Entenda

Na quinta-feira (23), o ministro Moro ameaçou renunciar o cargo caso Jair Bolsonaro tirasse Valeixo da PF. Após recuada do presidente, a pasta continua sob responsabilidade do ex-juiz da Lava Jato.

Segundo o jornal Folha de S.Paulo, Sergio Moro chegou a pedir demissão na quinta, assim que soube da intenção de Bolsonaro de promover a troca no comando da Polícia Federal.

Após o pedido de demissão, Bolsonaro convocou os ministros Braga Netto, da Casa Civil, e Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria do Governo, para demover Moro da ideia.

Esta não foi a primeira vez que Jair Bolsonaro falou em trocar o comando da PF. Desde o ano passado, o presidente tem tentado tirar Valeixo do cargo, sempre com a resistência do ministro Sergio Moro.

Quem é Maurício Valeixo?

Valeixo é amigo de longa data e um nome de confiança do ex-juiz Sergio Moro. Ele foi escolhido em 2018 pelo próprio Moro para ocupar o cargo de diretor-geral da PF, no lugar de Rogério Galloro.

Ex-diretor de Inteligência da PF, Valeixo foi diretor de uma outra área-chave para a gestão do agora ministro da Justiça: a de Combate ao Crime Organizado.

Além disso, trouxe contribuições importantes para a Operação Lava Jato: foi superintendente da Polícia Federal no Paraná e coordenou a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Foi também em sua gestão que foi fechada a delação de Antonio Palocci em Curitiba. O diretor-geral atuou, ainda, em outro caso importante da carreira de Moro, a Operação Banestado.

Ele assumiu o posto com a missão de “fortalecer a PF, com foco no combate à corrupção e ao crime organizado”.

*Com informações da Agência Brasil