MBL pede prisão preventiva de Lula e José Dirceu

A representação criminal foi enviada ao Ministério Público Federal (MPF)

  • Por Jovem Pan
  • 12/11/2019 14h47 - Atualizado em 12/11/2019 14h52
J. F. DIORIO/ESTADÃO CONTEÚDOO ex-presidente Lula ao lado do ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu

O advogado e coordenador nacional do Movimento Brasil Livre (MBL), Rubinho Nunes, pediu a prisão preventiva nesta terça-feira (12) do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu.

A representação criminal foi enviada ao Ministério Público Federal (MPF) sob a alegação de incitação ao crime, terrorismo e não cumprimento da Lei de Segurança Nacional durante discurso do petista no último sábado, no Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista.

Para Nunes, o discurso de Lula “demonstra que ele ficou mais de 500 dias na cadeia apenas alimentando o ódio, o revanchismo e a sede de vingança contra todos aqueles que o prenderam”, disse o advogado em live nas redes sociais.

Em sua fala a apoiadores e militantes, o ex-presidente provocou o ministro da Justiça, Sergio Moro, o presidente Jair Bolsonaro, além do coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol. Segundo o petista, os brasileiros estão muito tranquilos e precisam “resistir” e “lutar” como o povo do Chile e da Bolívia. Ele pediu que os deputados “virem leões no Congresso”. “Eles não sabem o tesão que eu estou para lutar por esse país”, garantiu.

Lula foi solto na última sexta (8) após o Supremo Tribunal Federal (STF) definir, em julgamento, que não é constitucional a prisão após condenação em segunda instância. Agora, o entendimento geral é de que a prisão só poderá acontecer após o chamado “trânsito em julgado”. Com isso, Lula, José Dirceu e outros presos da Operação Lava Jato foram soltos.

Segundo Nunes, a representação enviada ao MPF pede “a imediata prisão preventiva do senhor Luiz Inácio Lula da Silva, do senhor José Dirceu e do senhor Lindberg Farias por conta de associação criminosa e de insuflar a massa a subverter a lei e a ordem”.