Ministério diz que caso de MG ‘não se enquadra’ como suspeito de coronavírus

Paciente esteve em Xangai, na China, onde não há, até o momento, transmissão ativa do vírus

  • Por Jovem Pan
  • 22/01/2020 17h39
EFE/YONHAPAinda nesta quarta, autoridades chinesas informaram que subiu para 17 o número de mortes causadas pelo coronavírus

O Ministério da Saúde afirmou em nota nesta quarta-feira (22) que o caso investigado na cidade de Belo Horizonte “não se enquadra na definição de caso suspeito de coronavírus da Organização Mundial da Saúde (OMS)”. Isso porque a paciente, internada no Hospital Eduardo de Menezes (HEM), esteve em Xangai, na China, onde não há, até o momento, transmissão ativa do vírus.

Segundo a definição atual da OMS, só existe essa situação na província de Whuan. A pasta esclareceu, também, que “está monitorando a situação e, assim que houver definição da situação de emergência pela OMS, o Ministério da Saúde do Brasil tomará as medidas cabíveis e informará sobre as novidades, assim que forem definidas”.

Sendo assim, não há, até o momento, “detecção de nenhum caso suspeito no Brasil de Pneumonia Indeterminada relacionado ao evento na China”, continuou em nota.

Ainda nesta quarta, autoridades chinesas informaram que subiu para 17 o número de mortes causadas pelo coronavírus.

O Ministério da Saúde informou ainda que “tem realizado monitoramento diário da situação junto à OMS, que acompanha o assunto desde as primeiras notificações de casos, em 31 de dezembro de 2019”.

Embora a causa da doença e do mecanismo de transmissão sejam desconhecidos, no Brasil, o Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de infecções respiratórias agudas. Entre as orientações estão: evitar contato próximo com pessoas que sofrem de infecções respiratórias agudas; realizar lavagem frequente das mãos, especialmente após contato direto com pessoas doentes ou com o meio ambiente; evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações.

Suspeita

A suspeita é uma mulher brasileira, de 35 anos, que visitou a China recentemente. De acordo com a Secretaria de Saúde do Estado de Minas Gerais, o caso suspeito foi “identificado na UPA Centro Sul de Belo Horizonte” nesta terça.

“Tendo em vista o contexto epidemiológico atual do país onde a paciente esteve, foi considerada a hipótese de doença causada pelo novo Coronavírus, que é microorganismo de alerta sanitário internacional, considerando o potencial pandêmico com alto risco à vida e impacto assistencial”, diz a nota da secretaria.

A mulher, internada no Hospital Eduardo de Menezes (HEM), esteve em Shangai e desembarcou em Belo Horizonte no dia 18 deste mês, com sintomas respiratórios compatíveis com doença respiratória viral aguda conhecida como coronavírus.

A paciente relatou, segundo nota da secretaria, que não esteve na região de Wunhan, onde surgiram os primeiros casos da doença, e que também não teve contato com pessoas que apresentassem sintomas semelhantes ao coronavírus.