Ministério Público determina investigação sobre álcool em gel da Giovanna Baby

Segundo o MPSP, o produto foi reprovado no teste de teor alcoólico, apresentando um resultado inferior ao colocado na embalagem; empresa nega e diz que laudo apresentado pela Universidade Estadual de Maringá ‘padece de inconsistência metodológica em sua elaboração’

  • Por Jovem Pan
  • 19/02/2021 22h01 - Atualizado em 22/02/2021 15h24
Saulo Angelo/Futura Press/Estadão ConteúdoProduto teria teor alcoólico menor do que o mostrado na embalagem

O Ministério Público de São Paulo (MPSP) determinou a abertura de uma investigação sobre o álcool em gel da marca Giovanna Baby, alegando que o produto foi reprovado no teste de teor alcoólico e apresentou um resultado inferior ao colocado na embalagem. A informação foi confirmada pela Jovem Pan, que teve acesso ao inquérito. Segundo o documento, o caso começou em Maringá, no Paraná, em agosto de 2020, quando a Universidade de Maringá reprovou o produto. Na ocasião, a Pro Nova, responsável pela produção do álcool em gel, apresentou dois laudos de contraprova, mostrando que o produto estaria dentro dos parâmetros estabelecidos. Ainda de acordo com o inquérito, a empresa alegou que o teste feito no laboratório da universidade, que não tinha validade por não ser um estabelecimento vinculado à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O MP notificou a Pro Nova, exigindo que a empresa apresente dados sobre a qualidade e distribuição do produto, como quantidade mensal de produção do álcool em gel, identificação por lote, locais onde o produto é vendido, utilidades do produto, entre outros. Além disso, o MPSP também questionou se a empresa responde a algum processo administrativo envolvendo o Procon de Maringá.

Resposta da empresa

Questionada pela Jovem Pan, a empresa reiterou, por meio de nota, que o laudo apresentado pela Universidade Estadual de Maringá padece de inconsistência metodológica em sua elaboração. “A Pro Nova, detentora da marca Giovanna Baby, repetiu os testes com produtos do mesmo lote em laboratórios renomados e com equipamentos condizentes aos testes, e certificou que os nossos géis higienizantes atendem a todas as exigências regulatórias e normas de direito do consumidor vigentes, motivo pelo qual solicitamos junto ao Procon que o auto fosse arquivado”, afirmou. Para comprovação, os resultados dos testes laboratoriais foram enviados em anexo. Segundo os laudos, os géis da Giovanna Baby são eficazes no combate ao coronavírus e tem 70% de álcool. Além disso, matam 99,999% das bactérias. “A Giovanna Baby, marca pioneira no desenvolvimento de produtos cosméticos, orgulha-se em ter em seu portfólio os Géis Higienizantes, cuja qualidade e eficácia estão comprovados nos testes, e que auxiliaram no combate à proliferação do Coronavírus, entre outros agentes infecciosos.  Fique tranquilo(a) em usar os nossos Géis Higienizantes, pois eles apresentam – comprovadamente – todos os benefícios comunicados pela nossa empresa”, finaliza o comunicado.