Ministro da Justiça troca diretoria e abre investigação sobre ‘dossiê antifascista’

Mendonça informou que soube do relatório por meio da imprensa e que, por questões de sigilo, não pode negar nem confirmar a existência

  • Por Jovem Pan
  • 03/08/2020 21h05 - Atualizado em 04/08/2020 07h57
Edu Andrade/Estadão ConteúdoMinistro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça

O ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, instaurou nesta segunda-feira, 3, uma sindicância para apurar a existência de um dossiê sobre pessoas opositoras do governo Jair Bolsonaro e supostamente envolvidas no movimento antifascista. Além disso, ele decidiu pela substituição da chefia da Diretoria de Inteligência da Secretaria de Operações Integradas (SEOPI), que teria produzido o relatório. O atual diretor do órgão é Gilson Libório. Ele foi nomeado para o cargo em 25 de maio, pelo próprio ministro.

A Comissão para investigar esse relatório será é composta por um delegado de Polícia Federal, integrante da Corregedoria-Geral do MJSP; um Procurador da Fazenda Nacional e um Auditor Federal de Finanças e Controle da Controladoria-Geral da União. Em nota, o Ministério da Justiça e Segurança Pública destacou “que o ministro está à disposição para prestar esclarecimentos à Comissão Mista de Investigação da Atividade de Inteligência, aguardando apenas a definição da data”.

Na última sexta-feira, em entrevista ao programa Os Pingos nos Is, da Jovem Pan, Mendonça informou que soube do dossiê por meio da imprensa e que, por questões de sigilo, não pode negar nem confirmar a existência, mas garantiu que não há investigação contra qualquer pessoa possivelmente envolvida com os antifas. “É de rotina que se produzam relatórios para se prevenir situações que gerem até insegurança para as pessoas, com potenciais de conflito, de depredação, de violência contra o patrimônio público”, declarou.