Movimentos sociais realizam atos em todo do Brasil pela prorrogação do prazo para suspensão de despejos

Período concedido pelo Supremo Tribunal Federal para suspensão de ações de reintegração de posse, devido à pandemia, termina no próximo dia 30 de junho

  • Por Jovem Pan
  • 21/06/2022 15h57
Reprodução/MTST/Twitter Protesto MTST contra despejo Em São Paulo, os movimentos sociais fizeram o ato na Avenida Paulista

Movimentos sociais protestam em todo o Brasil, nesta terça-feira, 21, pela prorrogação do prazo para a suspensão de despejos e remoções até o fim deste ano. Em março deste ano, o Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu as ações de reintegração de posse, devido à pandemia, até 30 de junho. Segundo a Campanha Despejo Zero, a partir de 1º de julho, 142.385 famílias em todo o país correrão o risco de perderem suas casas a partir de 1º de julho (569.540 pessoas ao todo, sendo 97.391 crianças e 95.113 idosos). Entre os grupos que participam dos atos estão o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), o Movimento Luta Popular, as Brigadas Populares, a União dos Movimentos de Moradia (UMM) e o Movimento de Lutas em Bairros, Vilas e Favelas (MLB).

Os protestos acontecem em diferentes cantos do país. Em São Paulo, por exemplo, os movimentos sociais fizeram o ato na Avenida Paulista. Milhares de pessoas com cartazes pediam a prorrogação da determinação do STF. No Twitter, o MTST publicou uma foto da manifestação e disse “Lutamos sem nunca perder a fé! Que nada nos falte e Deus nos proteja. Fé na luta, venceremos”.