MPF quer que Weintraub explique falas sobre povos indígenas e ciganos

Segundo o órgão, a Constituição garante reconhecimento e proteção aos diferentes grupos formadores da sociedade

  • Por Jovem Pan
  • 26/05/2020 21h49
Marcelo Camargo/Agência BrasilNo vídeo da reunião ministerial, Weintraub diz que "odeia o termo povos indígenas e povos ciganos"

O Ministério Público Federal (MPF) quer que o ministro da Educação, Abraham Weintraub, dê explicações sobre as falas feitas durante a reunião ministerial de 22 de abril sobre povos indígenas e ciganos. O documento foi expedido pela Câmara de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais do MPF (6CCR) nessa segunda-feira (25).

No vídeo, divulgado por decisão do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), Weintraub diz que “odeia o termo povos indígenas e povos ciganos”. “Só tem um povo nesse país. Quer, quer. Não quer, sai de ré. É povo brasileiro, só tem um povo”, afirma. “Acabar com esse negócio de povos e privilégios. Só pode ter um povo, não pode ter ministro que acha que é melhor do que o povo”, continua.

No documento endereçado ao ministro, o MPF ressalta que a Constituição de 1988 inaugurou um novo ciclo de relação entre os indígenas, as comunidades tradicionais e o Estado brasileiro, garantindo reconhecimento e proteção aos diferentes grupos formadores da nossa sociedade.

“A Constituição expressa o multiculturalismo no respeito pelos modos de vida, costumes e tradições dos povos indígenas, mediante o reconhecimento da posse das terras que tradicionalmente ocupam (art. 231) e no reconhecimento da diversidade cultural (arts. 215 e 216)”, aponta o ofício.

O MPF destaca ainda que o respeito e o efetivo cumprimento da Constituição são deveres de todos os agentes públicos, de todas as esferas da federação, o que se coloca de maneira ainda mais severa e estrita em relação aos ministros de Estado, pela sua estatura institucional. “Não se trata de uma opção ideológica do agente público, mas de um dever jurídico funcional”, frisa o coordenador da 6CCR, subprocurador-geral da República Antônio Bigonha.

Dessa forma, “em atenção aos deveres dos agentes públicos de honestidade, imparcialidade, legalidade e lealdade às instituições”, o MPF solicita que seja explicitado o escopo da manifestação sobre “povos indígenas” e “povos ciganos”, e o efetivo respeito aos seus direitos assegurados pela Constituição, em contraste com os “privilégios” mencionados por Weintraub na reunião ministerial.