Najila é indiciada por fraude, extorsão e denunciação caluniosa

  • Por Jovem Pan
  • 10/09/2019 13h02
ReproduçãoDelegada também indiciou o ex-marido da modelo

A Polícia Civil de São Paulo indiciou a modelo Najila Trindade por fraude processual, extorsão denunciação caluniosa e extorsão no caso em acusou o jogador Neymar de estupro durante um encontro de ambos em Paris. A delegada, Monique Lima, também indiciou o ex-marido de Najila, Estivens Alves, por fraude processual e divulgação de conteúdo erótico.

A decisão foi tomada após a conclusão de dois inquéritos que tramitavam pelo 1º Distrito Policial (DP) de Santo Amaro. “Com base no conjunto probatório reunido durante as investigações, a delegada decidiu pelo indiciamento de N. e Estivens Alves seu ex-companheiro, pelo crime de fraude processual (art. 347, parágrafo único, CP). Decidiu, ainda, por indiciar Alves pelo artigo 218-C, por divulgar material com conteúdo erótico de N. para um repórter, em troca de publicações suas na internet”, diz a nota da Secretaria de Segurança Pública (SSP).

Agora, os inquéritos seguem, em segredo judicial, para o Tribunal de Justiça para apreciação dos representantes do Ministério Público e do Poder Judiciário.

Relembre o caso Neymar

Acusado de estuprar a modelo, o processo contra Neymar foi arquivado em agosto, a pedido do Grupo de Atuação Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica (Gevid), do Ministério Público Estadual. Segundo as promotoras, não foi possível identificar “provas suficientes” para a denúncia.

Após o arquivamento, Najila criticou a atitude. “Eu acho normal, porque a palavra dele [Neymar] vale mais que a minha. É o caso de um jogador e eu sou só uma pessoa de família humilde. É muito mais fácil arquivar o caso do que ir atrás da verdade”, disse.