Número de mortos em Brumadinho sobe e já supera tragédia de Mariana

  • Por Jovem Pan
  • 26/01/2019 18h20
ANTONIO LACERDA/EFECentenas de pessoas estão desaparecidas desde o rompimento da barragem da Vale

Na tarde deste sábado (26), o governo de Minas Gerais informou que o número de mortos em Brumadinho, em decorrência do rompimento de uma barragem da Vale, chegou a 34. O novo balanço faz com que o desastre supere oficialmente, em número de mortes, a tragédia ocorrida em 2015 na cidade de Mariana (MG). Na época, a enxurrada de lama decorrente da ruptura da Barragem do Fundão resultou na morte de 19 pessoas.

Até agora, foram resgatadas 366 pessoas, sendo 221 funcionários da mineradora e 145 terceirizados. Destes, 23 estão hospitalizados. Entre as vítimas fatais, 8 foram identificadas. O Corpo de Bombeiros mantém 205 homens no local – 175 são especializados no trabalho de resgate de vítimas de soterramento.

Ainda segundo comunicado do governo, o trabalho de monitoramento da barragem B6 continua e as atividades de resgate foram suspensas às 20h e serão retomadas às 4h da madrugada.

Multa de R$ 99 milhões

O governo de MG anunciou também que, por meio da Secretaria Estadual de Meio Ambiente, estipulou multa no valor de R$ 99 milhões à Vale por responsabilidade dos danos causados pelo rompimento da barragem da Mina do Feijão. O valor será destinado a reparos. Segundo o secretário Germano Vieira, a empresa deverá ser notificada até segunda-feira (28) e, a partir de então, terá 20 dias para recorrer.

No mesmo comunicado, o governador Romeu Zema, que decretou luto oficial de três dias, “reiterou o agradecimento a todos empenhados em colaborar neste momento de sofrimento”.

“Desde os bombeiros que vieram de outras cidades e estados, até as autoridades que foram a Brumadinho conferir de perto os estragos, prestar solidariedade e contribuir com medidas que ajudarão a resolver os problemas da região e dos atingidos, como o Presidente da República, Jair Bolsonaro, o Procurador Geral de Justiça de Minas Gerais, Antônio Sérgio Tonet; a Procuradora Geral da República, Raquel Dodge; o Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles; o Ministro da Defesa, Fernando Azevedo; o Secretário Nacional de Defesa Civil, Alexandre Lucas Alves, além de toda nossa equipe e voluntários que se colocaram à disposição para nos ajudar”, diz a nota.

Prefeito de Mariana se solidariz

Mais cedo, em entrevista à Jovem Pan, Duarte Junior, prefeito de Mariana, lembrou o desenrolar do desastre na cidade e fez um apelo às autoridades. “Eu posso afirmar com toda a convicção que esse é o primeiro tempo de uma grande tragédia e que vão aparecer ainda outras possibilidades de tragédia. Se o poder público não estiver próximo do governo municipal, a tendência é piorar”, disse.

“Nesse primeiro momento, claro, atenção total às vítimas. Mas, no segundo, a receita vai cair, vai ter que ter atenção à saúde, pagamento de servidores, transporte… A tendência é que Brumadinho passe por um momento difícil. Tem que contar com apoio dos governos federal e estadual. Em Mariana isso não aconteceu. Eles estiveram presentes, prometeram muita coisa, mas perdemos muito em receita e não tivemos apoio posterior”, completou.