OMS destaca que brasileiros têm múltiplas fontes de informação sobre a Covid-19

Para o diretor-executivo da entidade, “informações distorcidas” podem ter efeitos negativos no enfrentamento à pandemia

  • Por Jovem Pan
  • 07/09/2020 13h16 - Atualizado em 07/09/2020 13h20
Fabrice Coffrini/EFEMichael Ryan também destacou o trabalho de autoridades estaduais do país no combate à doença.

Durante coletiva de imprensa, nesta segunda-feira, 7, o diretor-executivo da Organização Mundial da Saúde (OMS), Michael Ryan, disse que a população brasileira dispõe de várias fontes para obter informações sobre a pandemia do novo coronavírus e destacou o trabalho de autoridades estaduais do país no combate à doença. Ryan fez o comentário após pergunta de uma jornalista brasileira que mencionou o fato de o presidente Jair Bolsonaro frequentemente aparecer em eventos públicos sem utilizar máscara ou fazer declarações a favor da hidroxicloroquina, que não tem eficácia comprovada no tratamento da Covid-19.

Segundo Ryan, sem abordar diretamente o caso específico do Brasil, “informações distorcidas” podem ter efeitos negativos. O diretor aproveitou para fazer um apelo a todos os governos que se comuniquem “de forma transparente e sincera”.

Covid-19 no Brasil

Segundo levantamento do consórcio de veículos de imprensa, o Brasil tem 126.686 mortes por coronavírus confirmadas até as 8h desta segunda-feira. Já são 4.137.722 casos confirmados. O Consórcio é formado pelo Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL com as secretarias estaduais de Saúde. Desde o dia 8 de junho, estes seis veículos de comunicação passaram a trabalhar, de forma colaborativa, para reunir as informações necessárias junto aos 26 estados e no Distrito Federal para divulgação do balanço de óbitos e casos de Covid-19.

* Com Estadão Conteúdo