‘Se é para ouvir a ciência, não libera ninguém’, afirma prefeito de São Bernardo

  • Por Jovem Pan
  • 28/05/2020 08h10 - Atualizado em 28/05/2020 08h10
Jovem Pan O prefeito defende que ou todas as cidades da região sejam consideradas na faixa vermelha, ou que todos se separem de vez

O prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando, discorda da decisão do governador de São Paulo, João Doria de retomar as atividades de forma gradativa no Estado e na capital paulista enquanto a região da Grande São Paulo permanecerá em quarentena, ou seja, na fase 1 da reabertura.

O prefeito defende que ou todas as cidades da região sejam consideradas na faixa vermelha, quando as atividades comerciais continuam interrompidas, ou que todos se separem de vez. “Por que aí não estão ouvindo a ciência”, argumentou. “Se é para ouvir a ciência, não é para liberar ninguém da Região Metropolitana”, defendeu.

“A Região Metropolitana têm 39 cidades incluindo a capital, administrada por uma diretoria regional de saúde. Se você pegar o número de leitos para covid-19 das 39 cidades e dividir pelo número de habitantes, todos ficam em um índice vermelho (de alerta máximo)”, afirmou Morando ao Estadão.

Para ele, “se é para tirar a capital da Região Metropolitana, tem de tirar também São Bernardo”, defende o prefeito afirmando que o município possui uma disponibilidade de leitos maior que a capital para atender pacientes com a Covid-19.

Ao Estadão, o governo paulista afirmou que o Comitê de Contingenciamento irá avaliar o pleito de municípios da Região Metropolitana. “O modelo heterogêneo delimita uma análise específica de cada uma das regiões”, afirmou o secretário de desenvolvimento regional do governo João Doria, Marco Vinholi.

*Com informações do Estadão Conteúdo