PF deflagra operação contra aplicadores do Enem; celulares foram proibidos

  • Por Jovem Pan
  • 09/11/2019 11h25
Antônio Cruz/Agência BrasilNa prova do último domingo (3), aplicadores divulgaram tema da redação nas redes sociais

A Polícia Federal (PF) deflagra, neste sábado (9), a Operação Thoth, para recolher provas de suspeita de fraudes e atos irregulares durante a aplicação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) no último domingo (3). Foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão nas residências de aplicadoras do teste, suspeitas de fraudar o primeiro dia de provas.

Os celulares das suspeitas foram levados para perícias. Os mandados foram expedidos pela 12ª Vara Federal de Fortaleza.

Em nota, a Polícia Federal informa que continua atuando em parceria com o Inep para apurar fraudes semelhante na Bahia e no Rio de Janeiro.

Celulares estão proibidos para todos

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) proibiu os aplicadores das provas de entrar com celulares nas salas onde as provas acontecerão neste domingo (10). A medida é uma resposta à divulgação, no último fim de semana, de uma foto da prova de redação nas redes sociais enquanto os candidatos ainda faziam o teste.

Segundo a assessoria do Inep, até o fim de semana passado, os aplicadores eram orientados a guardar os celulares em envelopes ou porta-objetos – assim como ocorre com aqueles que vão participar da prova. Agora, os celulares não poderão ficar nas salas, nem mesmo dentro dos envelopes fechados.

No último domingo (3), minutos após o início do Enem, já circulava nas redes sociais a imagem da página com a proposta da Redação, que abordou a democratização do acesso ao cinema.

Na ocasião, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi às redes sociais e disse que a investigação já estava sendo feita pela PF, que teria identificado o autor do vazamento, que provavelmente é do Estado de Pernambuco.

“A foto é verdadeira, mas em nada compromete a realização da prova. Todos os procedimentos de segurança já tinham sido feitos, a prova já tinha sido distribuída e alguém tirou uma foto e colocou nas redes”, disse o ministro. “Não compromete em nada, tudo segue normal. A PF vai identificar a pessoa responsável e tomar as providências legais.”

Para os estudantes, o uso dos celulares segue proibido. Os candidatos têm de colocar os aparelhos dentro de envelope porta-objetos entregue antes do início da prova. Os aparelhos devem estar desligados e, se possível, deve-se remover a bateria – caso emitam algum som, mesmo dentro do envelope, o candidato será eliminado.

No domingo passado, 376 candidatos foram eliminados, segundo o Inep, por uso de equipamento eletrônico, por não atender a orientações dos fiscais, entre outras irregularidades. Mais de 3,9 milhões de estudantes realizaram a prova.

*Com Estadão Conteúdo