Planalto diz que condição para receber ajuda do G7 é que Brasil tenha ‘governança total’

  • Por Jovem Pan
  • 27/08/2019 20h53
Wilson Dias/Agência BrasilRêgo Barros disse que a condição para receber o auxílio externo é que o Brasil tenha "governança total" e escolha "onde e como aplicar o dinheiro"

Diferente do que disse o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e a assessoria de imprensa do Planalto nesta segunda-feira (26), o porta-voz da presidência, Otávio Rêgo Barros, afirmou, nesta terça (27), que o governo não descarta receber a ajuda de US$ 20 milhões, equivalente a R$ 83 milhões, oferecida pelos países do G7.

Nesta manhã, o presidente Jair Bolsonaro havia declarado que reconsideraria a ajuda caso o presidente da França, Emmanuel Macron, retirasse “insultos” contra ele. Depois, ao ser questionado pela imprensa, desconversou: “Eu falei isso? Eu falei? O presidente Bolsonaro falou?”, perguntou.

No entanto, Rêgo Barros disse que a condição para receber o auxílio externo é que o Brasil tenha “governança total” e escolha “onde e como aplicar o dinheiro”.

“O governo brasileiro está aberto a receber suporte financeiro de organizações e países. O ponto essencial (para aceitar a ajuda) é que este dinheiro terá governança total do povo brasileiro”, pontuou. “Se o G7 oferecer a ajuda como organismo internacional, e o Brasil entender que é possível acatar, será acatado”, reforçou.

Segundo o porta-voz, o governo “não rasga dinheiro e não rasgará”. O general afirmou que a forma de usar recursos do Fundo Amazônia também será reavaliada.

* Com informações do Estadão Conteúdo