PM dispersa manifestação na Paulista com bombas de gás; detidos portavam ‘artefatos químicos’

  • Por Jovem Pan
  • 31/05/2020 14h21 - Atualizado em 01/06/2020 08h08
TABA BENEDICTO/ESTADÃO CONTEÚDO

A Polícia Militar de São Paulo usou bombas de gás contra manifestantes que se concentram na Avenida Paulista, no centro de São Paulo, neste domingo (31).

Segundo a PM, cinco manifestantes que participavam de ato contra o governo de Jair Bolsonaro e pró-democracia na avenida Paulista foram detidos com artefatos químicos, fogos de artifício e canivetes.

Os detidos estão sendo encaminhados ao 78º Distrito Policial, nos Jardins, zona sul da capital paulista. A operação seguia em andamento por volta das 15h30.

Os manifestantes e grupos de torcidas organizadas caminharam pela Paulista no começo desta tarde entoando palavras de ordem pela democracia. Eles se concentravam no vão do Masp e a PM acompanhava o ato e evitava que manifestantes bolsonaristas, que também estavam na avenida, se aproximassem.

O tráfego na avenida Paulista segue interrompido desde às 13 horas desde domingo. A PM usa a Tropa de Choque para dispersar os manifestantes. Mais cedo, um grupo de manifestantes e apoiadores do governo Bolsonaro se aproximaram do outro grupo e houve um princípio de confusão.

Os manifestantes pró-democracia e torcedores usam máscaras e roupas pretas, o grupo de apoiadores de Bolsonaro usa bandeiras do Brasil e se concentram em outro lado da avenida, sentido Consolação. Após a tentativa de dispersão, os manifestantes e torcedores caminharam para as ruas próximas à avenida. Por volta das 15h, a Tropa de Choque da PM ainda tentava dispersar os manifestantes e torcedores, que revidavam com pedras – há depredação no local.

O secretário-executivo da PM, Coronel Álvaro Batista Camilo, afirmou há pouco à Globonews que a dispersão, por parte da tropa, do ato pró-democracia no vão livre do Masp, na tarde deste domingo ocorreu após pedras serem jogadas contra policiais.

Ele defendeu que a operação está sendo realizada para evitar confrontos entre esses manifestantes e o grupo pró-governo, que se concentra a poucos metros, em frente à Fiesp. “[Os manifestantes] Partiram para um radicalismo muito forte, ao confronto com a polícia. Não é o que geralmente acontece”, disse.

Em uma das imagens registradas pela Jovem Pan, é possível ver policiais atirando bombas de gás lacrimogênio contra os manifestantes na altura da rua Peixoto Gomide.

*Com informações do Estadão Conteúdo