Por agenda positiva, Temer quer aprovar reforma trabalhista a toque de caixa

  • Por Jovem Pan
  • 03/07/2017 08h04 - Atualizado em 03/07/2017 08h11
Brasília - O deputado Rogerio Marinho, relator do projeto da reforma trabalhista (PL 6.787/16), apresenta o parecer sobre a proposta (Antonio Cruz/Agência Brasil)O deputado Rogerio Marinho, relator do projeto da reforma trabalhista (PL 6.787/16), apresenta o parecer sobre a proposta

A reforma trabalhista deverá ser pautada no plenário do Senado em regime de urgência e pode ser aprovada a toque de caixa.

O Palácio do Planalto quer reforçar sua defesa na Câmara com uma vitória no Senado na próxima semana. Denunciado por corrupção passiva, o presidente Michel Temer aposta na aprovação da reforma trabalhista para segurar o apoio e demonstrar força política.

No cronograma do governo, as mudanças na legislação trabalhista entram em vigor na segunda semana de julho, com a sanção presidencial e a publicação de medida provisória que vai aprimorar pontos vetados, conforme acordado entre Planalto e senadores.

O deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), relator da reforma trabalhista na Câmara, espera que o texto seja aprovado na íntegra: a base tentará aprovar a urgência da reforma nesta terça-feira (4) pra barrar o retorno do projeto às comissões caso surjam emendas.

Se o texto do projeto for modificado, terá de ser votado mais uma vez na Câmara, atrasando o calendário: O Ministério do Trabalho ainda não começou a avaliar a redação da medida provisória porque aguarda o avanço das negociações.