Prefeitura de SP avalia possibilidade de acolher desabrigados em prédios da região central

  • Por Jovem Pan
  • 22/05/2018 15h29
Fotos PúblicasDefensoria até sugeriu três endereços: Dois na avenida São João e um na rua Capitão Salomão, todos próximos ao largo do Paissandú

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, avalia a possibilidade de acolher os desabrigados do largo do Paissandú em outros prédios da região central.

As defensorias públicas da União e do Estado de São Paulo entraram com ação judicial contra os governos federal, estadual e municipal na segunda-feira (21).

O documento pede tutela antecipada, ou seja, pode ser julgado a qualquer momento e ordernar o cumprimento imediato dos pedidos em caráter liminar.

A defensoria pede que as pessoas desabrigadas sejam encaminhadas para algum imóvel vazio localizado na própria região central de São Paulo.

O órgão chega até a sugerir três endereços: Dois na avenida São João e um na rua Capitão Salomão, todos próximos ao largo do Paissandú.

O prefeito Bruno Covas diz que vai respeitar qualquer decisão judicial e que ainda avalia o pedido.

“Não há nenhum problema em verificar essa demanda da defensoria pública. Se houver a possibilidade de acatar, mesmo que sem a decisão judicial, nós faremos. Em alguns casos, a gente precisa da decisão judicial, até para que possamos fazer isso sem nenhuma complicação futura, afirmou Covas.

Desde o dia primeiro de maio, quando o edifício Wilton Paes de Almeida desabou, muitas famílias permanecem acampadas no largo do Paissandú.

A ação pede ainda que seja fornecidos todos os itens de necessidade básica aos desabrigados, além da instalação de uma tenda no local.

*Com informações do repórter Tiago Muniz