Prefeitura do Rio autoriza que grávidas que tomaram AstraZeneca recebam 2ª dose da Pfizer

Campanha com o imunizante foi interrompida após a ‘suspeita de um evento adverso grave’ envolvendo uma gestante; o esquema vacinal híbrido tem sido aplicado em outros países

  • Por Jovem Pan
  • 29/06/2021 09h04 - Atualizado em 29/06/2021 17h19
JOAO GABRIEL ALVES/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDOA partir desta terça-feira, grávidas poderão receber a segunda dose da Pfizer no lugar da AstraZeneca mediante a autorização médica

A Prefeitura do Rio de Janeiro autorizou nesta terça-feira, 29, que mulheres grávidas que tomaram a primeira dose da vacina da AstraZeneca recebam o imunizante da Pfizer na segunda aplicação. A mudança foi anunciada pelo Secretário Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Daniel Soranz. “Seguindo a recomendação do nosso comitê: As gestantes que tomaram a primeira dose da vacina AstraZeneca poderão, mediante avaliação dos riscos e benefícios com seus médicos, realizar a segunda dose com a vacina da Pfizer 12 semanas após a primeira dose”, escreveu Soranz. A aplicação da vacina da AstraZeneca foi suspensa no município após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ser notificada pelo próprio fabricante do imunizante sobre a “suspeita de um evento adverso grave de acidente vascular cerebral hemorrágico com plaquetopenia”. O evento ocorreu com uma gestante que foi internada no dia 5 de maio, com o feto morrendo no dia 6 e a mulher no dia 10. Os estudos para avaliar a correlação entre o óbito e o imunizante ainda não foram concluídos pelo Anvisa. Por esse motivo, a Secretaria Municipal de Saúde se baseou na experiência de outros países que estão realizando esse esquema vacinal para autorizar a substituição na capital fluminense.