Quarto suspeito de participar do assassinato de Dom Phillips e Bruno Pereira se entrega e é preso em SP

Gabriel Pereira Dantas disse que participou da ocultação dos pertences da dupla; Polícia Federal ainda não confirmou envolvimento do homem de 26 anos no caso

  • Por Jovem Pan
  • 23/06/2022 17h24
Reprodução/Twitter/domphillips Dom Phillips Dom Phillips e Bruno Araújo desapareceram no dia 5 de junho, na região do Vale do Javari, no Amazonas

Novo personagem do assassinato do jornalista Dom Phillips e do indigenista Bruno Araújo Pereira, o amazonense Gabriel Pereira Dantas, de 26 anos, se apresentou no 2º Distrito Policial, no bairro do Bom Retiro, em São Paulo, nesta quinta-feira, 23. Em depoimento ao delegado da Polícia Civil de São Paulo Kauê Danillo Granatta, ao qual a Jovem Pan teve acesso, Dantas confessa ter participado da morte dos “dois turistas”. Ainda não se sabe se Dantas é um dos cinco suspeitos identificados pela Polícia Federal (PF). A corporação também não confirmou, de forma oficial, o envolvimento do homem no crime. Dom e Bruno desapareceram no dia 5 de junho, na região do Vale do Javari, no Amazonas. O pescador Amarildo de Oliveira, conhecido como Pelado, confessou à PF que assassinou a dupla, mas a corporação segue investigando as circunstâncias que motivaram o crime. Além de Pelado, estão detidos o seu irmão, Oseney da Costa de Oliveira, o Dos Santos, e Jefferson da Silva Lima, conhecido como Pelado da Dinha.

De acordo com o boletim de ocorrência, Dantas procurou dois policiais que estavam em patrulhamento na Praça da República, no centro da cidade. O suspeito disse aos agentes que estava fugindo do Amazonas após o assassinato de Dom e Bruno. Na delegacia, ele afirmou que passou uma temporada em Atalaia do Norte, na região do Vale do Javari, para se esconder, porque estaria “jurado de morte” pelo Comando Vermelho. Ainda segundo a versão do amazonense, ele se encontrou casualmente com Pelado, com que saiu para um passeio de barco no Rio Madeira. No caminho, diz o documento, a dupla se encontrou com os “turistas”. “Antes de emparelharem os barcos, Pelado tirou a espingarda 16 e a apontou para os dois [Bruno e Dom], que já perceberam e ficaram parados, tendo o ‘magrinho’ [Dom Phillips] gritado, mas Pelado efetuou um disparo primeiro no ‘magrinho’, carregou novamente a espingarda e efetuou outro disparo em Bruno; que os tiros foram efetuados a uma distância de aproximadamente três metros”, diz um trecho do depoimento.

Após o assassinato, Dantas, Pelado e outros dois suspeitos participaram da ocultação dos corpos e dos pertences das vítimas. Depois do crime, Pelado teria dito a Dantas que Dom Phillips, a quem chama de “gringo”, era “safado e talarico”. “Declara que na volta do local, Pelado disse ‘aquele gringo é safado e talarico’ e se a casa cair pode deixar que não vou te entregar não; afirma que Pelado é pescador e acredita que ele disparou e matou o ‘gringo’ mais magro pelo motivo que ele disse, de ter mexido com sua mulher, enquanto o outro teria morrido ‘de graça’, só para não incriminá-lo; afirma, por fim, que havia conhecido Pelado há cerca de uma semana”, diz outro trecho do documento.