Juiz recomenda que Queiroz vá para Bangu e proíbe prisão em batalhão da PM

  • Por Jovem Pan
  • 18/06/2020 12h25
WILLIAN MOREIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOFabrício Queiroz não pode ficar detido em batalhão da PM, decide juiz

O juiz Flávio Itabaiana de Oliveira recomendou que o Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, seja mandado para o Complexo de Gericinó, em Bangu, no Rio de Janeiro, após a prisão na manhã desta quinta-feira (18). Ele já está no Rio.

No mandado de prisão preventiva, obtido pela Jovem Pan, o magistrado diz que Queiroz deve ir para Bangu e proíbe “em qualquer hipótese” que ele fique detido no Batalhão Especial Prisional – BEP.

“Determino à Secretaria de Administração Penitenciária – SEAP que encaminhe o referido investigado para uma unidade prisional compatível com a sua segurança e o rigor da medida preventiva, preferencialmente no Complexo de Gericinó, em Bangu, estando vedada em qualquer hipótese sua custódia no Batalhão Especial Prisional – BEP”, diz a decisão.

Prisão de Queiroz

Fabrício Queiroz foi preso nesta manhã em um sítio em Atibaia, no interior de São Paulo. O imóvel pertence ao advogado de Flávio Bolsonaro, Frederick Wassef. As informações sobre o paradeiro do ex-assessor foram dadas à Polícia Civil pelo caseiro do sítio.

A prisão faz parte de desdobramento da investigação que apura esquema de “rachadinha” na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, que é o desvio de públicos por meio da devolução parcial de salário pelos assessores. O policial militar aposentado também é investigado por lavagem de dinheiro fazendo transações imobiliárias com valores de compra e venda fraudados. Ele teria movimentado R$ 1,2 milhão em sua conta bancária de forma atípica, de acordo com o Coaf (Conselho de Atividades Financeiras).