Partido de Flávio e Carlos Bolsonaro propõe ‘trégua’ entre Poderes

  • Por Jovem Pan
  • 24/04/2020 16h58 - Atualizado em 24/04/2020 16h59
Saulo Angelo/Estadão ConteúdoFlávio Bolsonaro foi eleito senador da República pelo Rio de Janeiro

Em nota pública divulgada nesta sexta-feira (24), o partido Republicanos propôs uma “trégua” aos chefes de Poderes – inclusive governadores e prefeitos -, líderes de partidos e sociedade para “acalmar os ânimos, pensar melhor e trabalhar contra a pandemia”.

A nota é focada nos efeitos da “conflagração” política no combate à Covid-19 e não cita a demissão do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. O comunicado é assinado pelo presidente nacional do partido e vice-presidente da Câmara, Marcos Pereira (SP), e os líderes das bancadas na Casa, Jhonatan de Jesus (RR), e no Senado, Mecias de Jesus (RR).

O Republicanos virou a legenda de dois filhos do presidente Jair Bolsonaro após o partido lançado pelos bolsonaristas, o Aliança pelo Brasil, não ter sido fundado, por falta de assinaturas, a tempo hábil de disputar as eleições municipais de 2020. São eles: o senador Flávio Bolsonaro (RJ) e o vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro.

“Propomos uma trégua a todos os chefes de poder, sejam nacionais, estaduais e municipais, a todos os líderes partidários e à sociedade como um todo para que possamos acalmar os ânimos, pensar melhor e trabalhar contra a pandemia”, diz o texto do Republicanos.

O partido afirma que o clima de disputa política no País não contribui “em nada” contra a pandemia do novo coronavírus. “Ao contrário: essa conflagração só nos atrapalha na busca por soluções para a preservação da vida dos brasileiros”, afirma. A legenda pede na nota que as disputas políticas sejam deixadas para o “momento adequado”. “Se não fizermos isso, passaremos as próximas semanas contabilizando corpos de brasileiros que podem morrer devido à mesquinhez da classe política”, diz o comunicado.

De acordo com a sigla, “em vez da construção de uma grande mobilização nacional, com todos os poderes e todas as forças políticas atuando de forma conjunta, o País preferiu seguir o caminho do combate político”. A agremiação declara que o clima de “briga generalizada de torcidas” nas redes sociais é “retroalimentado pelas forças políticas, que, por sua vez, se movimentam justamente pelo que observam das redes”.

“Não podemos menosprezar os efeitos da doença… Também não podemos desprezar o agravamento da situação econômica das famílias e do País devido à adoção de medidas de restrição social em boa parte dos estados e das cidades brasileiras”, reforça o texto, que é encerrado com a frase “Que Deus abençoe o Brasil”.

*Com informações do Estadão Conteúdo