Saiba se o lugar onde você trabalha está na lista de serviços essenciais

Governo de São Paulo mantém abertas as atividades necessários para garantir sobrevivência, saúde, abastecimento e segurança da população

  • Por Jovem Pan
  • 11/03/2021 19h10 - Atualizado em 11/03/2021 19h48
ROBERTO GARDINALLI/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOAçougues, mercados e padarias podem permanecer abertos

O avanço da pandemia de Covid-19 fez com que Estados e municípios fossem obrigados a restringir a abertura de estabelecimentos comerciais e limitar realização de certas atividades. Em São Paulo, o governador do Estado, João Doria (PSDB), anunciou um novo estágio do Plano SP de restrições, apelidada de “fase emergencial”, fechando igrejas, escolas e paralisando o futebol por oito dias. Além dessas restrições, diversas atividades seguem proibidas, com apenas serviços essenciais podendo funcionar, como farmácias, supermercados, padarias, pet-shops e postos de combustível. Entretanto, muitas pessoas têm dúvidas sobre o que é ou não considerado serviço essencial, o que pode ou não funcionar durante as restrições, quais locais de trabalho vão abrir enquanto durarem as medidas impostas pelo governo paulista. Confira abaixo quais locais de trabalho vão ficar fechados e quais funcionarão durante a nova fase do combate à pandemia em território paulista.

O que é essencial?

Segundo o governo de São Paulo, existem diversos serviços considerados essenciais (necessários para garantir a sobrevivência, saúde, abastecimento e segurança da população). Atividades da área da saúde  —  como hospitais, clínicas, farmácias, clínicas odontológicas, lavanderias e estabelecimentos de saúde animal  —  e do ramo da alimentação  — supermercados, açougues, padarias, lojas de suplemento e feiras livres  —  estão liberadas, pois asseguram que os cidadãos tenham acesso à atendimento médico, medicamentos e alimentos necessários para sobrevivência. Uma pessoa que sofrer uma parada cardiorrespiratória, por exemplo, necessitará de um pronto-socorro aberto. Restaurantes e bares, no entanto, poderão funcionar por meio de delivery e drive-thru (leia abaixo). Ligado a essas áreas, o ramo de abastecimento é essencial para evitar falta de produtos básicos. Mesmo com a população em casa, serviços de segurança ainda são utilizados e têm seu funcionamento autorizado pelo governo, assim como a construção civil.

Transportes públicos, táxis, serviços de aplicativo, estacionamentos, oficinas e empresas de locação de veículos têm o funcionamento garantido justamente para que trabalhadores de outros serviços essenciais consigam se locomover para o local de seus empregos. Importantes para a disseminação de informações sobre a pandemia, os serviços relacionados à imprensa foram considerados essenciais por decreto publicado no dia 20 de fevereiro de 2020 e assinado pelo presidente Jair Bolsonaro. Serviços gerais, como lavanderias, serviços de limpeza, hotéis, manutenção e zeladoria, serviços bancários, serviços de call center e assistência técnica de produtos eletroeletrônicos também foram liberados. Eles auxiliam na realização de outras atividades e na higienização de ambientes.

O que não é essencial?

Para evitar aglomerações, restaurantes e bares não são considerados essenciais e, por isso, funcionarão apenas via delivery e drive-thru. Estabelecimentos comerciais como shoppings e galerias também estão com funcionamento proibido por conta das restrições, assim como casas-noturnas. Salões de beleza e academias também não integram a lista de atividades essenciais em São Paulo, devendo permanecer fechados. Buffets, tanto voltados para adultos quanto para crianças, não podem abrir. A realização de eventos como festas, shows e casamentos com grande números de convidados está proibida. As informações também são do governo de São Paulo.