Secretário de Segurança da Bahia rebate Flávio Bolsonaro sobre vídeo

A Secretária de Segurança Pública da Bahia não reconhece a autenticidade do vídeo publicado pelo senador no Twitter. As imagens revelam um corpo etiquetado como ‘Adriano Magalhães’

  • Por Jovem Pan
  • 18/02/2020 20h53
Divulgação / Polícia Civil O ex-capitão do Batalhão de Operações Especiais (Bope) Adriano Magalhães da Nóbrega, morto no dia 9 de fevereiro

O secretário de Segurança Pública da Bahia, Maurício Barbosa, rebateu o vídeo e as acusações do senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) pelas redes sociais.

Mais cedo, o filho do Presidente publicou vídeo do suposto corpo do ex-capitão do Bope e suspeito de integrar milícia Adriano Magalhães da Nóbrega, morto em operação policial na cidade de Esmeralda, a 170 quilômetros de Salvador.

Segundo Barbosa, o vídeo divulgado pelo senador não teve a autenticidade reconhecida pela perícia da Bahia e nem pela perícia do Rio de Janeiro. O Departamento de Polícia Técnica do Rio também informou que o vídeo não havia sido gravado no local.

“As imagens não foram feitas nas instalações oficiais do Instituto Médico-Legal. Então nós temos a clara convicção de que isso é para trazer algum tipo de dúvida, de questionamento, a um trabalho que ainda não foi concluído”, disse Barbosa.

Segundo o secretário, o governo foi “instado” a comentar o resultado de uma perícia, divulgada na semana passada, e que há outros exames a serem realizados.

A única perícia oficial do corpo do miliciano aponta que ele foi morto por dois tiros de fuzil, disparados a, no mínimo, um metro e meio de distância. São mencionados “seis fraturas nas costelas”, “dois pulmões destruídos” e o “coração dilacerado”.

Diferente do que alegou Flávio, não há menção a coronhada ou queimadura. Os ferimentos, segundo os peritos, seriam compatíveis com o impacto no corpo causado por tiros de fuzil, em razão da alta energia cinética dos projéteis. Ainda nesta terça, o Ministério Público da Bahia (MPBA) pediu nova perícia no corpo do miliciano.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública afirma que o diretor do Instituto Médico Legal (IML) da Bahia, Mário Câmara, afirma que não é possível confirmar onde o vídeo foi gravado e se o corpo é realmente do capitão Adriano da Nóbrega.

“Não sabemos se foi adulterado, onde foi feito, não sabemos se o corpo é realmente do senhor Adriano. Então não faremos comentários sobre o vídeo”, afirma.

Na tarde desta terça, Flávio Bolsonaro publicou um vídeo de 21 segundos, sem áudio e com imagens fortes, no qual é exibido um corpo etiquetado com o nome “Adriano Magalhães”.

“Perícia da Bahia (governo PT), diz não ser possível afirmar se Adriano foi torturado. Foram 7 costelas quebradas, coronhada na cabeça, queimadura com ferro quente no peito, dois tiros a queima-roupa (um na garganta de baixo p/cima e outro no tórax, que perfurou coração e pulmões”, afirma Flávio Bolsonaro no tuíte.

Além de ser acusado de integrar o Escritório do Crime, milícia envolvida no assassinato da vereadora Marielle Franco, Adriano da Nóbrega era investigado pelo Ministério Público do Rio por participação em suposto esquema de rachadinha conduzido no gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

O filho do presidente empregou a ex-esposa e a mãe de Adriano da Nóbrega. Ao deflagrar operação contra endereços ligados ao ex-assessor Fabrício Queiroz e Flávio Bolsonaro em novembro do ano passado, o Ministério Público detalhou conversas entre Nóbrega e sua ex-esposa Danielle que era funcionária de Flávio.

Após surgirem movimentações atípicas de Queiroz, Danielle foi exonerada do cargo e cobrou explicações do miliciano em mensagens obtidas pela promotoria. Nelas, a ex-esposa de Adriano da Nóbrega afirma que ele também se beneficiava do suposto esquema de “rachadinhas”.

*Com informações do Estadão Conteúdo