Senadores aproveitam censura promovida pelo STF para ressuscitar CPI da Lava Toga

  • Por Jovem Pan
  • 16/04/2019 09h43 - Atualizado em 16/04/2019 09h45
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência BrasilDerrotada duas vezes na Casa, a comissão de inquérito tinha como objetivo principal investigar juízes das cortes superiores de Brasília

Em resposta à determinação do ministro Alexandre de Moraes de retirar do ar uma reportagem que cita o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, senadores planejam voltar a discutir a instalação da chamada CPI da Lava Toga. Derrotada duas vezes na Casa, a comissão de inquérito tinha como objetivo principal investigar juízes das cortes superiores de Brasília.

O texto veiculado pela revista Crusoé e censurado pelo STF cita um documento da Operação Lava Jato no qual o empreiteiro Marcelo Odebrecht responde a um pedido de esclarecimento sobre o codinome “amigo do amigo de meu pai”. Segundo o executivo, o apelido se refere a Toffoli. Na decisão, Moraes afirma haver “claro abuso no conteúdo da matéria veiculada”.

Principal entusiasta da proposta contra o que chama de “ativismo judicial”, o senador Alessandro Vieira (PPS-SE) afirmou que pode fazer um terceiro pedido para instalar a Lava Toga, caso consiga apoio dos parlamentares. “Nada impede que a gente apresente um novo requerimento. A gente percebe que a busca pela impunidade está gerando situações absurdas”, afirmou, ao citar a decisão de Moraes.

Para ser instalada, a CPI precisa da assinatura de 27 senadores. Na semana passada, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa derrubou a segunda tentativa de Vieira. Desta vez, no entanto, o parlamentar estuda pedir ao plenário que avalie o pedido. A decisão cabe ao presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

O presidente, no entanto, não tem interesse em instalar a CPI. “A maioria dos senadores entende que não é bom para o Brasil uma briga institucional”, argumentou. Vieira respondeu dizendo que Alcolumbre “não tem autonomia para esse tipo de escolha de pauta”.

Com Estadão Conteúdo