STF vai investigar assessor internacional de Bolsonaro

A inclusão do nome de Filipe Martins no inquérito das fake news aberto no STF veio após ele fazer declarações sobre o vídeo com leões e hienas postado no Twitter do presidente Jair Bolsonaro

  • Por Jovem Pan
  • 30/10/2019 16h00
Reprodução Twitter Filipe Martins, assessor internacional da presidência da República, durante viagem da comitiva brasileira aos Estados Unidos

O Supremo Tribunal Federal (STF) vai abrir uma investigação contra Felipe Martins, assessor internacional da presidência da República. As investigações acontecerão no mesmo inquérito aberto pela Corte para apurar ameaças e fake news contra os ministros. A informação é do jornal Folha de S. Paulo.

A inclusão do nome de Martins no inquérito do STF veio após ele fazer declarações sobre o vídeo postado no Twitter do presidente Jair Bolsonaro que mostra um leão, retratado como sendo o próprio Bolsonaro, cercado por hienas que representam diversas instituições, entre elas o Supremo, partidos, incluindo o PSL, e a imprensa.

O vídeo foi postado na segunda-feira (28) e excluído poucas horas depois. Bolsonaro se desculpou com o STF pelo conteúdo do vídeo. Na ocasião, ele classificou o vídeo como uma “injustiça”. Martins, no entanto, reafirmou a mensagem do vídeo na terça-feira (29) por meio do Twitter.

“O establishment não gosta de se ver retratado, mas ele é o que ele é: um punhado de hienas que ataca qualquer um que ameace o esquema de poder que lhe garante benefícios e privilégios às custas do povo brasileiro. Isso só mudará quando o Brasil se tornar uma nação de leões”, escreveu o assessor da presidência.

O inquérito aberto no STF gerou críticas por ter sido estabelecido sem consulta e participação do Ministério Público. O procurador-geral da República, Augusto Aras, no entanto, não viu inconstitucionalidade no inquérito e as investigações seguiram na Corte.

Martins também foi convocado para prestar esclarecimentos na CPMI das fake news, estabelecida no Congresso Nacional que ouve nesta quarta-feira (30) o deputado federal Alexandre Frota.