Suspeitos de furarem a fila da vacina, Safadão e mais três são denunciados por corrupção passiva e peculato

Denúncia resulta de processo instaurado em julho de 2021, um dia após o cantor e a esposa terem recebido doses do imunizante contra a Covid-19 de forma irregular

  • Por Jovem Pan
  • 04/02/2022 15h38 - Atualizado em 04/02/2022 15h48
Reprodução/Instagram/wesleysafadao Wesley Safadão Cantor, esposa, assessora e servidora pública foram denunciados após investigação

O Ministério Público do Estado do Ceará (MP-CE) denunciou o cantor Wesley Safadão, sua esposa Thyane Dantas, a assessora do artista Sabrina Tavares e a servidora da Secretaria de Saúde de Fortaleza, Jeanine Maria Oliveira e Silva, pelos crimes de corrupção passiva privilegiada e peculato em investigação que apura irregularidades na fila de vacinação. O documento foi protocolado no Judiciário nesta sexta-feira, 4, dois dias depois de o Tribunal de Justiça do Estado decidir pela liberação das investigações que estavam sendo realizadas pelo MP, que foram paralisada após um habeas corpus impetrado por Safadão em novembro de 2021.  A acusação foi assinada por oito promotores de Justiça e é resultado de um Procedimento Investigatório Criminal (PIC) instaurado em julho de 2021, um dia depois de o casal ter recebido, de maneira irregular, doses do imunizante contra a Covid-19. O recebimento aconteceu fora do calendário público divulgado pelas autoridades. Segundo o grupo do MP que trabalhou no caso, Wesley teria procurado por uma vacina que fosse “amplamente aceita no exterior” e que mobilizou servidores efetivos e terceirizados para que fosse imunizado com a vacina da Janssen. “Como se não bastasse, aproveitou para contribuir para o desvio de doses em favor da assessora e da esposa, que nem estava agendada para aquele dia, em razão de não possuir a idade exigida”, concluiu o MP-CE.