China considera “relativamente equilibrado” resultado da cúpula de Lima

  • Por Agencia EFE
  • 15/12/2014 10h10

Pequim, 15 dez (EFE).- A China considerou nesta segunda-feira que o resultado da conferência de Lima sobre a mudança climática é “relativamente equilibrado”, embora tenha dito que os “principais desafios” ficaram para a reunião de Paris de 2015.

A Cúpula do Clima de Lima aprovou nesta segunda-feira um documento que diz que, pela primeira vez na história das negociações climáticas, todos os países devem apresentar ações para combater o aquecimento, de modo que persegue um futuro acordo em Paris 2015, embora deixe muitas frentes abertas.

Para a China, o acordo da capital peruana representa “um progresso positivo”, já que “foram colocadas as peças” do pacto final que deve sair da reunião do próximo ano na capital francesa, segundo disse hoje em entrevista coletiva o porta-voz do Ministério chinês de Relações Exteriores, Qin Gang.

Qin qualificou o resultado de Lima como “relativamente equilibrado”, já que “atende basicamente as necessidades dos países em desenvolvimento”.

No entanto, reconheceu que são esperados “desafios mais fortes” segundo avancem as negociações rumo à reunião de Paris, e recalcou que a participação da China na reunião de Lima foi “ativa e construtiva”.

Qin lembrou que a China chegou a Lima com o acordo fechado há pouco mais de um mês entre seu presidente, Xi Jinping, e o americano, Barack Obama, pelo qual Pequim se comprometeu com os níveis de emissões de efeito estufa, que alcançarão o nível máximo em 2030, para começar a reduzir a partir de então.

Por sua vez, os Estados Unidos reduzirão suas emissões para 2025 entre 26 e 28% com relação aos níveis de 2005, o que representa o dobro do corte previsto entre 2005 e 2020. EFE