Cruz Vermelha pede 32 milhões de euros para ajuda a desabrigados no Nepal

  • Por EFE
  • 27/04/2015 13h58
26/04: 25h após terremotoTerremoto sacode Nepal e deixa danos; veja imagens

A Federação Internacional da Cruz Vermelha (FICV) apresentou nesta segunda-feira, em Genebra, um pedido extraordinário de 32 milhões de euros para oferecer ajuda a 75 mil desabrigados pelo terremoto que atingiu o Nepal no sábado.

Esses recursos serão destinados ao que se refere à sobrevivência, como abrigos temporários e utensílios domésticos de primeira necessidade.

A verba também permitirá que sejam realizados enterros dignos, que se restabeleça a comunicação entre famílias separadas pelo desastre natural e proporcione ajuda psicológica às vítimas.

“É um desastre enorme e ainda temos que entender a magnitude de seu impacto. Nosso pedido reflete a situação como a entendemos hoje, mas será ajustado conforme recebamos informação de zonas remotas”, explicou o presidente da FICV, Elhadj As Sy.

A Federação, que reúne 189 sociedades nacionais da Cruz Vermelha e o Crescente Vermelho, informou que mais de 1.500 voluntários e 300 funcionários da Cruz Vermelha nepalesa trabalham contra o tempo no resgate de mortos e feridos, em primeiros socorros e no atendimento às vítimas.

As autoridades do Nepal elevaram para quase quatro mil o número de mortos no terremoto. Há o receio de que, ao término da apuração de vítimas, o impacto desse terremoto seja pior que o ocorrido em 1934, quando 8.500 mortes foram registradas.

Após 48 horas do desastre, as organizações humanitárias consideram como grande preocupação saber a situação das áreas povoadas mais próximas ao epicentro, a cerca de 80 quilômetros de Katmandu e com difícil acesso.

A FICV aprovou o envio de sete unidades de resposta a emergências que devem chegar nesta semana ao Nepal. Além de profissionais, serão enviados um hospital de instalação rápida, duas unidades de atendimento médico básico, duas equipes de logística e uma unidade de telecomunicações.

“Estamos utilizando nossos recursos globais para apoiar a Cruz Vermelha nepalesa e garantir que a reposta ao desastre seja a mais efetiva possível”, disse o chefe da Federação em entrevista coletiva.