Conselho da Petrobras aprova Caio Paes de Andrade para ser presidente da empresa

Economista assume o cargo em momento que a estatal está pressionada pela subida nos preços dos combustíveis

  • Por Jovem Pan
  • 27/06/2022 13h43
Tânia Rêgo/Agência Brasil - 17/09/2019 petrobras Último indicado do governo, José Mauro Coelho ficou pouco mais de um mês na presidência da Petrobras

O Conselho de Administração da Petrobras aprovou o nome de Caio Paes de Andrade para o cargo de presidente da empresa nesta segunda, 27, por sete votos a três. Andrade também recebeu aprovação para se tornar parte do Conselho por oito votos a dois. O economista havia sido indicado pelo governo para ocupar a presidência da Petrobras em 23 de maio, antes mesmo de José Mauro Coelho renunciar, o que só ocorreu na última segunda, 20. Coelho também havia sido indicado pelo governo, mas estava sob forte pressão após novo reajuste no preço dos combustíveis. Tanto o Congresso quanto o governo têm demonstrado preocupação com o aumento nos valores pagos por diesel e gasolina pela população e os efeitos na subida da inflação em outros setores.

Andrade será o quarto presidente da Petrobras indicado por Bolsonaro – os anteriores, Roberto Castello Branco e Joaquim da Silva e Luna, acabaram deixando o cargo pela mesma razão que Coelho, a pressão pela subida nos preços. Ainda assim, Andrade não deve alterar a política de preço de paridade de importação (PPI), que leva em conta a cotação internacional do petróleo, custos de transporte e refino e a cotação do dólar para determinar preços pagos pelos combustíveis na saída das refinarias. O mandato será válido até 13 de abril de 2023. O novo presidente da Petrobras é formado em Comunicação Social pela Universidade Paulista, possui pós-graduação em Administração e Gestão pela Harvard University e mestrado em Administração de Empresas pela Duke University. Após décadas de experiência no setor privado, Andrade passou a integrar o Ministério da Economia em 2019, inicialmente como presidente da SERPRO, estatal de Tecnologia de Informação e, posteriormente, como Secretário Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital.