Guedes sugere refinanciamento de dívidas de estudantes com o Fies

Ministro ainda defendeu a criação de um ‘voucher’, uma espécie de bolsa, para o acesso de classes mais baixas ao ensino superior

  • Por Jovem Pan
  • 01/06/2021 14h14 - Atualizado em 01/06/2021 15h26
FREDERICO BRASIL/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO- 12/05/2021O ministro da Economia, Paulo Guedes, esteve em audiência pública da Comissão de Educação na Câmara dos Deputados

O ministro da Economia, Paulo Guedes, sugeriu nesta terça-feira, 1º durante a audiência pública da Comissão de Educação na Câmara dos Deputados, um refinanciamento de dívidas de estudantes atendidos pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e defendeu a criação de um “voucher“, uma espécie de bolsa, para o acesso de classes mais baixas ao ensino superior. O ministro argumentou que os jovens de baixa renda estão endividados por causa da pandemia do coronavírus e que precisam de alternativas para pagar o financiamento. “O jovem que está começando a sua vida consegue pegar um empréstimo no Fies. Aí quando ele vai entrar no mercado de trabalho, tem uma pandemia dessa, que derruba emprego, derruba o PIB, não tem criação de empregos. Se o jovem é realmente de família muito pobre, ele não pode começar a vida com essa espada sobre a cabeça dele, estar desempregado e já estar endividado. Isso não é razoável”, disse o ministro.

“Da mesma forma que estamos estudando planos de reestruturação para empresas que foram atingidas pela pandemia, por que não também o Fies? Por que não podemos construir juntos uma coisa desse tipo, dentro dos parâmetros fiscais, programas focalizados”, sugeriu aos parlamentares. O ministro defendeu ainda que no futuro deverá ter “mais ‘voucher’ e “menos empréstimo”. Para ele, o empréstimo deve ser destinado apenas a pessoas de classe média. “O empréstimo é para a família de classe média que está estabelecida, para o garoto que quer fazer um curso de Medicina, que é muito caro. Tudo bem. Agora, o menino que vem da periferia, está sem recursos e desempregado, como é que vou cobrar de um menino desse agora?”, questionou.

Orçamento do MEC terá desbloqueio

O ministro aproveitou sua apresentação para comunicar que será desbloqueados R$ 900 milhões para o orçamento do Ministério da Educação nos próximos dias. “Nós bloqueamos o quantitativo. O qualitativo, de onde bloqueia e desbloqueia, isso é a política que faz”, disse Guedes. Segundo o ministro, foram bloqueados R$ 9 bilhões. Desses, R$ 4,5 bilhões serão desbloqueados de forma “proporcional” às pastas. No entanto, não foi detalhada como a divisão será feita. “Deve ser até R$ 1 bilhão para o MEC. Esses recursos já devem ser liberados. Se a economia continuar forte e as receitas aumentarem, vão ser desbloqueados os outros R$ 4,5 bi”, concluiu o ministro.