Índice de commodities do Banco Central recua 2,43% em julho

No acumulado de 12 meses, no entanto, saldo ainda é positivo, com crescimento de 22,58%

  • Por Jovem Pan
  • 03/08/2022 16h55
Divulgação/Agência Vale Disparada do preço das commodities no mercado internacional impulsionou revisões do PIB em 2021 em meio ao clima de maior otimismo Minério de ferro é uma das commodities importantes para a economia brasileira

O Índice de Commodities do Banco Central (IC-BR), que avalia os preços das matérias-primas com peso na inflação, registrou queda de 2,43% no mês de julho na comparação com junho, divulgou a instituição nesta quarta, 3. No acumulado de 12 meses, o IC-BR avançou 22,58%, enquanto desde janeiro, o crescimento é de 5,20%. O indicador é calculado a partir dos valores internacionais de produtos agrícolas, metálicos e energéticos, convertidos para reais. O BC também divulga o equivalente internacional, o Commodity Research Bureau (CRB), que recuou 0,39% em julho, mas tem elevação de 3,53% em 2022 e de 8,07% em 12 meses. Entre os componentes, o marcador de produtos metálicos teve a maior queda em julho, de 8,16% enquanto o agropecuário recuou 2,83%. Já o de energia subiu 1,52%. Em 12 meses até julho, o avanço do IC-Br é puxado pelo índice de Energia (89,90%), seguido por Agropecuária (13,40%). O componente de Metal tem recuo de 10,81% no período.