Líderes entregam a Pacheco petição para apurar política do BC e ouvir Campos Neto no plenário do Senado

Parlamentares querem saber os motivos para o Copom manter taxa básica de juros em 13,75% desde agosto do ano passado

  • Por Brasília
  • 05/07/2023 19h28 - Atualizado em 05/07/2023 19h28
TON MOLINA/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO Roberto Campos Neto O presidente do Banco Central, Rodrigo Pacheco, deverá esclarecer Selic no Senado

Um grupo de líderes partidários, encabeçado por parlamentares do PT, entregou nesta quarta-feira, 5, ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, um pedido de investigação sobre a atual política monetária adotada pelo Banco Central. Eles também sugeriram para que o presidente do BC, Roberto Campos Neto, seja ouvido no plenário do Senado sobre a atual taxa de juros Selic de 13,75%, em vigor desde agosto do ano passado por decisão do Conselho de Política Monetária Nacional (Copom), órgão vinculado ao Banco Central. Segundo os líderes, Pacheco se comprometeu a atender a petição. “Ele vai avaliar, mas já nos adiantou que há uma previsão legal para, a cada seis meses, o presidente do Banco Central vir aqui prestar contas. Ele [Pacheco] está sugerindo a data do dia 3 de agosto”, disse o deputado federal Zeca Dirceu, líder do PT na Câmara dos Deputados.

Caso a data se confirme, a audiência com Campos Neto será realizada na mesma semana da próxima reunião do Copom, na qual poderá ser anunciada uma redução na Selic, de acordo com a última ata publicada pelo Banco Central. Campos Neto já foi convidado, pela segunda vez neste ano, a prestar esclarecimentos à Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado sobre a taxa básica de juros do país. Ele já esteve na CAE em 25 de abril, quando defendeu a autonomia do BC e a política monetária.

Comentários

Conteúdo para assinantes. Assine JP Premium.