Secretário diz que Saúde terá recursos, mas alerta: ‘Não se pode exagerar na dose’

  • Por Jovem Pan
  • 28/03/2020 19h57 - Atualizado em 28/03/2020 20h33
Daniel Resende/Futura Press/Estadao ConteúdoMansueto Almeida é o atual secretário do Tesouro Nacional

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, firmou neste sábado (28) que não faltarão recursos para a saúde durante a pandemia de coronavírus no Brasil, mas fez um alerta. Segundo ele,  não se pode exagerar na ‘dose do remédio’. Caso contrário, há o risco de comprometer o orçamento do País nos próximos anos.

“Não pode faltar dinheiro para saúde independente da questão fiscal e também para proteger as pessoas mais vulneráveis. Mas não se pode exagerar na dose do remédio, comprometendo os próximos anos. Haverá uma conta a ser paga”, afirmou. “O Brasil precisa voltar para o trilho do ajuste fiscal no ano que vem”, acrescentou.

O secretário disse que é errado comparar o volume de medidas apresentadas pelo governo Bolsonaro com o pacote trilionário – de US$ 2 trilhões – assinado pelo governo americano nesta semana. Ele afirmou que, diferentemente dos Estados Unidos, o Brasil tem uma rede de assistência social bastante robusta e comparável a países europeus com alto grau de bem-estar social.

Mansueto também comentou o programa de financiamento da folha de pagamento das pequenas e médias empresas lançado nesta semana pelo Banco Central com o BNDES e a Caixa. Ele afirmou que o fundo será do Tesouro Nacional. “O Tesouro entra com R$ 34 bilhões nos dois meses. O resto R$ 6 bilhões virá do setor privado”.

*Com informações do Estadão Conteúdo