Jantares apresentam alta culinária regional no Festival de Tiradentes

  • Por Agencia EFE
  • 29/08/2014 11h23

Rio de Janeiro, 29 ago (EFE).- Uma das atividades mais esperadas em um festival de gastronomia é quando os comensais tem a oportunidade de saborear um prato diferente, algo que remeta a um mundo exótico de sentidos e principalmente de paladar.

Como reagir então quando estes sabores vêm de regiões do país que são pouco conhecidas por sua culinária, seus hábitos alimentares?

Tudo isso está acontecendo no 17º Festival de Cultura e Gastronomia de Tiradentes, em Minas Gerais, um dos maiores eventos do setor e que entra nesta sexta-feira em sua reta final.

Para esta edição, uma equipe de especialistas – a Expedição Fartura Gastronomia – percorreu, este ano, mais de 11 mil quilômetros pelo Brasil, em busca de ingredientes e produtos típicos. Ao todo, foram 45 dias de entrevistas, com 95 pessoas, em 22 cidades de Amapá, Roraima, Sergipe, Alagoas e Espírito Santo.

Para esta sexta-feira os chefs mineiros, anfitriões, preparam pratos requintados com toques da cozinha local, uma das mais reconhecidas e apreciadas do país. Rodolfo Mayer e Guilherme Melo, apresentam em seu festim – evento especial dentro do festival – costelinha de catitu com feijão de corda e maria gondó como prato principal.

Como entrada, fígado, jabuticaba e pele, preparados por Guilherme, enquanto como primeiro prato Rodolfo apresentará capelete de beterraba assada e queijo de serro, alho assado, ora-pro-nobis e semente de girassol tostada.

Já no festim Amapá, as chefs Mara Salles e Solange Batista vão apresentar filhote – peixe característico da região amazônica -, tucupi e tubérculos, tendo como entrada peito de tartaruga, iguaria muito apreciada no estado. Destaque para a sobremesa de sorvetes amazônicos de jambu e cacau.

Já no jantar Espírito Santo, do chef Juarez Campos, será apresentado aos comensais o medalhão de paleta e cordeiro a la Bourguignone com mousseline de baroa trufado.

O toque regional – com forte influência da imigração italiana que ocupou a região serrana do Espírito Santo – vem com o fusilli com ragu de linguiça, scudiguin (cottecchino capixaba) e funghi porcini.

No sábado acontecem mais três festins, um de chefs mineiros – Rodolfo Mayer junto com Marise Rache -, outro com pratos do Sergipe, preparados por Jefferson Rueda e Dino Pisselini; e outro de Alagoas, do chef Wanderson Medeiros, completando o roteiro dos estados visitados pela Expedição Fartura Gastronomia.

O Festival de Cultura e Gastronomia de Tiradentes entrou no calendário da cidade mineira em 1998 e elevou o município a uma posição de destaque. Hoje o evento contabiliza números surpreendentes: já recebeu chefs de 18 países – como Espanha, França, Itália, Argentina, Estados Unidos e Alemanha; registrou a participação de mais de 630 chefs de cozinha, 160 festins e 77.000 pratos servidos nos jantares; viabilizou a presença de chefs de renome internacional, e já envolveu diretamente mais de 5.500 profissionais. EFE