Morales alega “conspiração política” em morte de vice-ministro na Bolívia

  • Por Estadão Conteúdo
  • 26/08/2016 10h48
Enzo de Luca / ABIEvo Morales

Mineradores na Bolívia sequestraram e espancaram até a morte o vice-ministro do Interior do país, Rodolfo Illanes, ato que foi classificado pelo presidente boliviano Evo Morales como “conspiração política”.

Illanes foi sequestrado, na última quinta-feira, 25, pela manhã, em Panduro, a 130 quilômetros ao sul de La Paz, onde os mineradores promoviam protestos contra o governo com a interdição de rodovias desde segunda-feira, 22.

O vice-ministro havia se deslocado até o local para tentar um diálogo com os mineradores, que acabaram por fazê-lo refém. Pouco depois, o ministro de Governo, Carlos Romero, informou que Illanes havia sido “sequestrado” e “torturado” pelos mineradores que protagonizaram “violentos protestos na ponta de dinamite” das rodovias.

“Essa é uma conspiração política, não uma reivindicação social. Lamento as mortes”, disse Morales à imprensa, se referindo às mortes do membro do governo e de dois mineiros durante os protestos.

Os mineiros exigem que o governo lhes permita uma associação a capitais privados e lhes conceda novas áreas de exploração.

Morales declarou três dias de luto. Classificou de “covarde” a atitude dos mineiros e destacou que o diálogo “sempre esteve aberto”.

Romero comentou que “todos os indícios” mostram que Illanes foi assassinado “covarde e brutalmente”. “Estamos fazendo as diligências necessárias para que nos entreguem o corpo”, pontuou.