Além de Donbass, Rússia quer controlar regiões separatistas da Moldávia

Subsomandate das forças russas declarou que a intenção é dominar o território fronteiriço do sul e leste da Ucrânia; Kremlin não confirmou as informações

  • Por Jovem Pan
  • 22/04/2022 21h13
EFE/EPA/MINISTÉRIO DA DEFESA DA RUSSO SERVIÇO DE IMPRENSA rússia em direcao ao sul .- Uma imagem estática tirada de um vídeo divulgado pelo serviço de imprensa do Ministério da Defesa russo mostra militares russos dirigindo seu veículo blindado de transporte de pessoal (APC) durante operação ofensiva russa

A Rússia quer controlar totalmente o sul da Ucrânia e a região do Donbass (leste). Foi essa a afirmação feita pelo subcomandante das forças do distrito militar do centro da Rússia, Rustam Minnekayev, nesta sexta-feira, 22. “Desde o início da segunda fase da operação especial, um dos objetivos do exército russo é estabelecer o controle total sobre o Donbass e o sul da Ucrânia. Isto permitiria garantir um corredor terrestre até a Crimeia“, explica Minnekayev que também reitera que essa conquista vai assegurar um corredor terrestre até a Crimeia e uma influência nas infraestruturas chaves da economia ucraniana, como os portos do Mar Negro, por onde são feitos os embarques de produtos agrícolas e metalúrgicos.

A conquista do sul da Ucrânia também ajudaria os separatistas na região moldava da Transnístria, que desde 1992 controlam um território da Moldávia – país pertencente à União Soviética e que tem um governo pró-Ocidente. “O controle do sul da Ucrânia também é um corredor para a Transnístria, onde também observamos casos de opressão da população de língua russa”, disse o general. Diante das declarações, o governo da Moldávia convocou imediatamente o embaixador russo e expressou profunda preocupação.

Se as palavras de Minnekayev se concretizarem, esse seria o maior detalhamento já divulgado pela Rússia em relação ao conflito com a Ucrânia que já beira os dois meses, e também indicaria uma ambição muito maior do que foi anunciado por Vladimir Putin que informou que seu plano era libertar Donbass – local que conta com a região de Donetsk e Luhansk, que tiveram sua independência reconhecida por Putin em 21 de fevereiro. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, não comentou sobre as declarações durante a entrevista coletiva que é realizada diariamente. Oleksiy Reznikov, ministro da defesa ucraniano, se posicionou sobre o depoimento de Minnekayev. Em seu Twitter, ele declarou: “Eles pararam de esconder”, se referindo a Rússia e sua reais intenções no conflito com a Ucrânia.