Argentina expulsa paraguaio acusado de vender cocaína adulterada que matou 21

Joaquín Aquino, conhecido como “Paisa”, foi preso pela polícia na quinta-feira passada; 23 pessoas ainda estão internadas por causa da substância comercializada

  • Por Jovem Pan
  • 05/02/2022 06h50 - Atualizado em 05/02/2022 06h51
EFE/ Juan Ignacio Roncoroni cocaína adulterada - argentina Hospital Eva Peron, onde se encontram internadas várias pessoas por causa do consumo de cocaína adulterada

A Argentina determinou a expulsão e proibiu a entrada, de forma permanente, do principal detido pela venda de cocaína adulterada que matou 21 pessoas e deixou 84 internadas na capital do país, Buenos Aires. O paraguaio Joaquín Aquino, conhecido como “Paisa”, foi preso pela polícia na quinta-feira passada, após operações realizadas em toda a zona norte e oeste da cidade. “A Direção Nacional de Migrações (DNM), que depende do Ministério do Interior, ordenou a expulsão do país com uma proibição permanente de reentrada de Joaquín “Paisa” Aquino ligada ao caso da cocaína envenenada”, informou a entidade em comunicado oficial.

O suposto traficante é suspeito de fornecer as drogas apreendidas nas proximidades de “Puerta 8”, um assentamento de emergência localizado em Tres de Febrero, em Buenos Aires. Segundo documento da Justiça Argentina, Aquino teve a residência negada e foi expulso do país com uma proibição de reentrada durante oito anos, mas esta medida nunca foi cumprida, uma vez que já estava foragido da justiça desde 2018. “A decisão da agência de migração se deveu ao fato de Aquino ter tido condenações por posse ilegal de uma arma de guerra e por tráfico de drogas na sua modalidade de posse para fins de comercialização”, explicou a chefe da DNM, Florencia Carignano. “A DNM emitiu a expulsão e proibiu a reentrada de Joaquín Aquino, agora permanentemente, uma decisão que se tornará efetiva quando cessar o interesse da Justiça na pessoa”, acrescentou.

Durante a detenção de “Paisa”, os agentes de segurança apreenderam uma pistola Glock com o número de série apagado e material para 5 mil doses de cocaína. Como resultado destas operações policiais, foram apreendidas até agora entre 12,6 mil e 13,6 mil doses prontas para consumo e que foram embaladas de forma semelhante às adquiridas pelas vítimas. Nesta semana, 20 pessoas morreram devido ao uso de cocaína adulterada e 84 outras foram internadas em hospitais de Buenos Aires, mas o governo provincial informou que o número de pacientes continua diminuindo. “Atualmente há 30 pessoas internadas, dez delas com assistência respiratória mecânica. Além disso, há nove em observação em serviço”, diz o comunicado. As autoridades mantêm o “alerta epidemiológico” para intoxicação por opiáceos e, segundo o Ministério da Saúde, foi aplicada naloxona em todos os casos de pacientes intoxicados, um medicamento poderoso que reverte rapidamente os efeitos da overdose.

*Com informações da EFE