Autoridades do Egito prorrogam prisão de médico brasileiro acusado de assédio

Ministério Público do país considera que ele ‘atacou preceitos e valores da sociedade egípcia’ com piadas de cunho sexual; detenção foi estendida por quatro dias

  • Por Jovem Pan
  • 01/06/2021 19h29 - Atualizado em 01/06/2021 21h03
Imagem: Reprodução/Instagram @drvictorsorrentinoO homem foi preso no último domingo, 30, acusado de assédio sexual no país

O Ministério Público do Egito anunciou nesta terça-feira, 1º, a prorrogação da prisão do médico brasileiro Victor Sorrentino. Ele permanecerá por mais quatro dias detido para que as investigações prossigam. Pelo sistema judicial do Egito, esse tipo de detenção provisória pode ser renovada a cada 15 dias. O morador de Porto Alegre foi preso no último domingo, 30, acusado de assédio sexual no país. De acordo com o comunicado publicado pelo MP do país em sua conta oficial no Twitter, as autoridades consideram que Sorrentino “atacou os preceitos e valores da família e da sociedade egípcia, violando a vida privada da vendedora e utilizando uma conta eletrônica para cometer esses crimes”.

A acusação surgiu na última semana, quando o médico postou um vídeo em suas redes sociais ofendendo uma vendedora muçulmana. Na gravação, o brasileiro aparece em tom de deboche, questionando uma vendedora que não entende sua língua: “Vocês gostam mesmo é do bem duro, né? E comprido também fica legal, né?”. Após a repercussão negativa do vídeo, ele excluiu a postagem das redes sociais e postou outra gravação pedindo desculpas à funcionária. “Foi uma brincadeira, uma brincadeira de mau gosto, que eu costumo fazer com minhas amigas e familiares no Brasil. No entanto, as pessoas acham que eu fui ruim, mau, deselegante e pervertido com você. Não entendi isso de início porque estou acostumado a brincar assim. Sei que não tenho direito de brincar com pessoas desconhecidas”, disse o médio. Neste novo vídeo, ele ainda explica à vendedora que sua “brincadeira de mau gosto” fez alusão a um pênis. “Eu sou assim, um cara muito brincalhão. Quero pedir desculpas e saber se você se sentiu ofendida. Como você era muito risonha, acabei brincando junto, mas não quis te ofender”, continuou. Por sua vez, a vendedora respondeu que “não está triste” e que “está tudo bem”.