Bolívia pede perdão da dívida externa para enfrentar crise da Covid-19

O presidente Luis Arce pediu a compreensão e a solidariedade internacional e culpou a má gestão do governo interino pelas dificuldades em que o país se encontra

  • Por Jovem Pan
  • 04/12/2020 11h40 - Atualizado em 04/12/2020 13h01
EFE/Martin AlipazNo dia 2 de dezembro, o governo anunciou o auxílio contra a fome, que beneficiará quatro milhões de bolivianos

A Bolívia propôs à comunidade internacional nesta quinta-feira, 3, o cancelamento da sua dívida externa para enfrentar a crise econômica causada pela pandemia de coronavírus e pediu a ajuda das fontes de financiamento. A mobilização foi feita pelo presidente Luís Arce em uma assembleia das Nações Unidas, posteriormente transmitida pela emissora de televisão estatal boliviana. “É fundamental mobilizar as diferentes fontes de instrumento de financiamento e cancelamento da dívida externa. Neste contexto, esperamos encontrar a devida compreensão e solidariedade na cooperação internacional, em particular da Ajuda Oficial ao Desenvolvimento”, escreveu o chefe de governo em seu perfil oficial no Twitter.

Segundo dados do Banco Central da Bolívia, a dívida externa pública do país era, até abril deste ano, de US$ 11,6 bilhões, o que equivale a 27,3% do seu PIB. Através do seu perfil oficial no Twitter, Arce atribuiu parte da culpa à “crise política de novembro de 2019”, quando houve a renúncia do ex-presidente Evo Morales, e à “má administração” do governo interino que se seguiu, liderado por sua opositora, Jeanine Áñez. No entanto, o chefe de governo reconheceu que a situação se deteriorou com a crise da Covid-19. Desde março, a doença infectou mais de 144 mil pessoas no país e causou 8.900 mortes.

*Com informações de agências internacionais