Brasil reconhece presidente interina da Bolívia; 7 já morreram em protestos

  • Por Jovem Pan
  • 13/11/2019 11h03
EFESenadora Jeanine Áñez assumiu a presidência da Bolívia nesta terça-feira (12)

O governo brasileiro reconheceu, nesta quarta-feira (13), a senadora Jeanine Áñez como nova presidente da Bolívia. Em publicação no Twitter, o Ministério das Relações Exteriores elogiou a determinação de Jeanine em trabalhar pela paz e por novas eleições, além de dizer que quer aprofundar a “fraterna amizade” com o país.

“O governo brasileiro congratula a senadora Jeanine Áñez por assumir constitucionalmente a Presidência da Bolívia e saúda sua determinação de trabalhar pela pacificação do país e pela pronta realização de eleições gerais. O Brasil deseja aprofundar a fraterna amizade com a Bolívia”, afirma a publicação.

A senadora do partido oposicionista Unidad Demócrata declarou-se presidente da Bolívia nesta terça-feira (12). “Assumo imediatamente a Presidência”, disse Jeanine, embora a bancada do MAS, partido liderado pelo ex-presidente Evo Morales, não estivesse presente no Congresso.

Ela anunciou que decidiu “assumir imediatamente”, em seu novo status de líder do Senado, depois de considerar que no país havia uma situação de vacância, devido às renúncias de Morales e do vice-presidente, Álvaro García Linera. Também renunciaram aos cargos os presidentes do Senado e da Câmara e o primeiro vice-presidente do Senado.

Protestos

O número de mortos durante os protestos na Bolívia aumentou para sete nesta terça-feira (12), após 23 dias de manifestações a favor e contra Evo Morales. A maioria das vítimas morreu devido ao impacto de projéteis de armas de fogo, outras após serem golpeadas com objetos cortantes.

“Nos 23 dias de conflito social no país, o Instituto de Investigações Forenses (IDIF) registrou duas pessoas mortas em La Paz, duas em Santa Cruz e três em Cochabamba”, disse o procurador-geral, Juan Lanchipa Ponce. De acordo com o procurador-geral, é necessário que “a população recupere a calma e a tranquilidade” para que esses fatos “não se repitam mais”.

O balanço da Procuradoria-Geral não inclui a morte do comandante da Unidade Tática de Operação Policial (UTOP) de La Paz, que sofreu um acidente de trânsito enquanto trabalhava na contenção de protestos. O coronel Herbert Antelo se acidentou ao tentar desviar de um cartucho de dinamite na estrada. De acordo com a polícia, ele acabou se chocando com um miniônibus.

O uso da dinamite por parte dos manifestantes tem sido habitual durante os distúrbios ocorridos na Bolívia desde 20 de outubro, quando a oposição denunciou uma suposta fraude nas eleições presidenciais

*Com informações das Agências Brasil e EFE